Polícia

Guarda Municipal pode ser pivô do enfrentamento entre policiais, que envolve MSN, sexo e drogas

O caso seria um ‘flagrante’ contra um dos policiais, e resultou na morte do policial militar Sandro Alvares Morel, 36, alvejado com 6 tiros, além do baleamento de outro PM e um Policial Federal, todos de Dourados

Arquivo Publicado em 09/05/2011, às 00h23

None
779895186.jpg

O caso seria um ‘flagrante’ contra um dos policiais, e resultou na morte do policial militar Sandro Alvares Morel, 36, alvejado com 6 tiros, além do baleamento de outro PM e um Policial Federal, todos de Dourados

O enfrentamento entre o policial federal Leonardo Lima Pacheco, 36 anos, e os policiais militares Sandro Alvares Morel, 36, e José Pereira de Souza, 29, dentro do apartamento 31 do Condomínio Indaiá, no meio da tarde deste domingo (8), conforme fontes extraoficiais, e não confirmadas pela Polícia Civil, teve como pivô a guarda municipal Zilda Aparecido Rodrigues Ramires.


Sandro foi alvejado com seis tiros, possivelmente disparados por Pacheco, e teve morte instantânea. O policia federal, também ferido por arma de fogo, está internado no Hospital Santa Rita. O PM José Pereira foi baleado e foi para o pronto socorro do Hospital Evangélico.


A tragédia acabou com as comemorações do Dia das Mães no condomínio de classe média onde mora Leonardo Pacheco. O prédio foi isolado e durante várias horas policiais civis, militares e federais realizaram perícia para servir de base para as investigações.


O comandante da Guarda Municipal, major Tony Audry Zerlotti afirmou que na manhã desta segunda-feira (9) dará uma entrevista coletiva à imprensa para falar sobre a participação de Zilda Ramires no episódio.


Conforme informações apuradas pelo Midiamax, a guarda Municipal Zilda Ramires há alguns dias vinha mantendo contatos via MSN (Messenger) com uma pessoa identificada como Leo e que residiria no Condomínio Indaiá.


Em determinado momento das conversações, Leo que seria agente da Polícia Federal teria proposta uma “transa sexual” com Zilda e, sem saber que ela era integrante da Guarda Municipal, acabou oferecendo drogas como forma de pagamento pela relação sexual.


Foi neste momento, segundo fontes extraoficiais, que a guarda municipal entregou em contato com a Polícia Militar contando o fato. Depois da denuncia Sandro e José, que pertencem ao Serviço Reservado da PM, preparam o “flagrante”.


Ao chegarem ao apartamento, Sandro e Zilda foram recebidos pelo Federal, que passou a efetuar os disparos. A fonte afirmou que posteriormente o PM José Pereira, ao ouvir os tiros, também entrou no apartamento.


Os computadores do Policial e da Guarda Municipal foram apreendidos pela Polícia Civil que deverá periciá-los para checar a se estava versão apresentada para como motivadora do crime é verídica ou não.


Os delegados da Polícia Federal Bráulio Galoni e da Policia Civil Sandro Márcio Pereira e João Alves de Queiróz vão se pronunciar a respeito do caso somente na manhã desta segunda-feira. O mesmo será feito pelo comandante do policiamento de interior da PM coronel José Cesar de Souza.

Jornal Midiamax