Polícia

Nova Andradina: Polícia procura mulher supostamente envolvida em homicídio

Após doze dias de investigações, a Polícia Civil de Nova Andradina, através da 1ª Delegacia de Polícia, considera como foragida uma das pessoas acusadas de envolvimento no crime de homicídio que teve como vítima André Ricardo de Souza. O homicídio aconteceu no dia 03 de dezembro por volta das 17h horas na Rua São Vicente […]

Arquivo Publicado em 16/12/2010, às 19h36

None

Após doze dias de investigações, a Polícia Civil de Nova Andradina, através da 1ª Delegacia de Polícia, considera como foragida uma das pessoas acusadas de envolvimento no crime de homicídio que teve como vítima André Ricardo de Souza.


O homicídio aconteceu no dia 03 de dezembro por volta das 17h horas na Rua São Vicente de Paula, a poucos metros da boate “Campary”, onde trabalhava a procurada e também onde teve início uma discussão pela cobrança de dívida oriunda de bebida ingerida no local, por parte da vítima.


Desde a última sexta-feira (10) a mulher identificada como J.K.S. que morava e trabalhava na boate tem contra si um mandado de prisão temporária, porém ela não mais foi encontrada pelas autoridades policiais.


Segundo o delegado, a Polícia Civil a procura justamente, como determina os moldes da prisão, por se tratar de crime de homicídio, sendo sua prisão cautelar imprescindível para as investigações haja vista sua suposta participação no crime.


Segundo as investigações, a vítima estava bebendo cerveja na boate e saiu sem pagar, quando foi perseguido pela procurada, sendo que a poucos metros do local, enquanto a procurada o cobrava, surgiram duas pessoas em uma motocicleta, quando um deles efetuou um disparo de arma de fogo, matando a vítima no próprio local, sendo que, estes fatos ainda estão sendo investigados pela polícia.


A procurada J.K.S. ainda foi ouvida como testemunha no dia dos fatos, mas seu depoimento não convenceu a polícia e é forte suspeita por participação direta no crime.


Várias diligências foram feitas na boate, porém ninguém foi encontrado. Segundo o delegado, os trabalhos da Polícia Civil continuam por outras linhas de investigação, haja vista ainda informações de que após o homicídio, o carro usado pela acusada para perseguir a vítima estaria sujo de sangue, sendo o mesmo lavado dentro da própria boate.


Várias pessoas estão sendo ouvidas sobre o caso.

Jornal Midiamax