Polícia

Fuga anunciada: presos escapam de cadeia em Rio Verde que até juiz da cidade sabia da fragilidade na segurança

Encarcerados serraram as celas e pularam o muro que mede pouco mais de um metro e meio de altura (foto); local não tem alarme e os cadeados são frágeis

Arquivo Publicado em 31/01/2010, às 18h00

None

Encarcerados serraram as celas e pularam o muro que mede pouco mais de um metro e meio de altura (foto); local não tem alarme e os cadeados são frágeis

Três presos escaparam ontem à noite da cadeia construída no prédio da delegacia da Polícia Civil de Rio Verde, cidade distante 194 quilômetros de Campo Grande. A prisão não oferece segurança nenhuma, conforme relatório produzido pelo Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis), já entregue a defensoria pública, promotoria de Justiça e o juiz da cidade. Esse assunto já fora tratado por reportagem publicada pelo Midiamax em dezembro passado (ver material completo em notícias relacionadas, logo abaixo).

Boletim registrado na Polícia Civil pelo investigador de plantão, único que agia na segurança da cadeia na hora da fuga, diz que os presos quebraram os cadeados das celas 3 e 6 e escaparam, sem serem incomodados.

Note o que relatou o policial no boletim: “a carceragem está totalmente sem segurança, pois não possui alarme e nem cadeados de boa qualidade”.

Segue narrando o policial: “na hora da fuga chovia muito e isso dificultou ouvir o barulho de arrombamento dentro da carceragem”. O policial fica sozinho à noite na delegacia. É dele a função de cuidar das ocorrências da cidade, que vão de briga de casal, acidentes e homicídios. A missão desse policial é também a de agir como agente carcereiro.

“O pátio da delegacia é totalmente desguarnecido e os muros são baixos, sendo que qualquer pessoa pode entrar ou sair do referido pátio. Quando ocorreram as fugas anteriores, foram avisadas as autoridades do município como o juiz, o defensor, o promotor e também o Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis) sobre a precariedade da carceragem desta delegacia”, anotou o investigador.

Da cadeia que possui hoje duas celas e 25 presos escaparam, segundo o boletim Cleber Cleomar de Andrade, 29, João Batista Silva de Freitas, 23 e Ernandes Batista Barbosa Moura, 29.

Na cadeia de Rio Verde ocorreram dois motins em dezembro. Os presos saíram para o banho de sol e não quiseram mais retornar às suas celas. Representantes foram ao local e lá viram a precariedade de perto, conforme noticiado no Midiamax. Leia as reportagens logo abaixo, em notícias relacionadas.

Jornal Midiamax