Polícia

Dois vereadores presos pedem afastamento em Dourados

Dois vereadores de Dourados presos na Operação Uragano da Polícia Federal pediram afastamento da Câmara do município na noite de ontem, segundo informação da Grande FM, divulgada pelo site Dourados Informa. São eles: Marcelo Hall (PR), o Marcelão, que estava licenciado da Casa, e Edvaldo Moreira (PDT). Os dois estão presos na Penitenciária Harry Amorim […]

Arquivo Publicado em 09/09/2010, às 11h12

None

Dois vereadores de Dourados presos na Operação Uragano da Polícia Federal pediram afastamento da Câmara do município na noite de ontem, segundo informação da Grande FM, divulgada pelo site Dourados Informa. São eles: Marcelo Hall (PR), o Marcelão, que estava licenciado da Casa, e Edvaldo Moreira (PDT). Os dois estão presos na Penitenciária Harry Amorim Costa sob acusação de participar de esquema de fraudes em licitação e recebimento de propina.


Marcelão estava afastado do Legislativo ocupando o cargo de secretário de Serviços Urbanos e Edvaldo Moreira primeiro suplente estava em seu lugar.
Com isso o ex-vice-prefeito de Dourados, Albino Mendes (PR) volta à Câmara. Ele deve assumir o cargo na sessão desta quinta ao lado de Cido Medeiros do DEM que vai ocupar a cadeira de Idenor Machado que assumiu a secretaria de Educação. A licença de Marcelão e Edvaldo é por 30 dias.


Ontem, o vice-presidente da Câmara de Vereadores de Dourados , Zezinho da Farmácia, já havia apresentado pedido de renuncia ao cargo na Mesa Diretora. Ele foi o primeiro envolvido em escândalo de pagamento de propina a pedir afastamento. Apesar de deixar a direção da Casa, ele continuará como vereador. Segundo a direção da Câmara de Vereadores, uma nova eleição deverá ser feita para a escolha do novo vice-presidente.
Zezinho foi nacionalmente exposto por aparecer vibrando em imagens registradas pelo secretário de governo Eleandro Passaia, ao receber R$ 10 mil em propina.

Está marcada para hoje às 9hs a primeira sessão na Câmara depois da operação Uragano que prendeu 9 vereadores e indiciou 11 dos 12 dos parlamentares.

Jornal Midiamax