Relatório do Facebook aponta que Rússia tentou realizar ciberespionagem

De acordo com relatório da empresa, cerca de 200 perfis foram suspensos
| 10/04/2022
- 17:03
Relatório do Facebook aponta que Rússia tentou realizar ciberespionagem
Montagem / Reprodução

O Facebook suspendeu contas que geram ameaças contra a Ucrânia ou espalham fake news sobre a invasão russa no país. Contas relacionadas ao Governo da Rússia e de Belarus que procuraram realizar atividades de espionagem e influência clandestina em rede social também foram encerradas.

Conforme informações do Uol Notícias, a empresa Meta, responsável pela rede social, esclarece tais medidas na primeira do Relatório de Ameaças Adversárias, relativo ao primeiro trimestre de 2022.

De acordo com a empresa, cerca de 200 perfis foram suspensos. Alguns destes perfis também violavam os termos de uso da plataforma por disseminação de desinformação ou discurso de ódio contra pessoas da Polônia, Israel e EUA.

O relatório descreve que "atores ligados ao governo da Rússia e da Belarus" buscaram realizar ciberespionagem ou persuadir em massa, de forma indireta, outros usuários.

Ainda segundo o relatório, os principais alvos foram o setor de energia e defesa da Ucrânia, bem como, plataformas de tecnologia, jornalistas e ativistas na Ucrânia e na Rússia.

"Estas operações parecem ter se intensificado pouco antes da invasão da Rússia", afirma o texto, assinado por Ben Nimmo, líder de inteligência para ameaças globais, David Agranovich, diretor de disrupção de amaeaças; e Nathaniel Gleicher, chefe de políticas de segurança.

No relatório, constam publicações de fake news sobre líderes ucranianos deixando o país e tropas ucranianas se rendendo, postadas por um grupo ligado à KGB da Belarus no dia 24 de fevereiro, data de início da guerra.

Uma ameaça anônima também é citada, a Ghostwriter como é conhecida na comunidade de cibersegurança, em que se tenta tomar o controle de contas influentes por meio de golpes no e-mail. "Este grupo tentou hackear o perfil de dúzias de membros das da Ucrânia", demonstra o relatório. Ao conseguir, o Ghostwriter enviava vídeos pedindo o rendimento do exército ucraniano.

Veja também

Chamas ainda podem ressurgir e ameaçam antiga cidade nas montanhas

Últimas notícias