Líderes do Ocidente mudam discurso e se preparam para guerra longa na Ucrânia

A ação mais intensa foi em torno de Donetsk e perto da cidade de Kharkiv
| 28/04/2022
- 11:49
Líderes do Ocidente mudam discurso e se preparam para guerra longa na Ucrânia
Foto: Reprodução/Twitter

Mais de dois meses após a invasão da pela Rússia, os líderes ocidentais alteram o tom dos seus discursos e sugerem que se preparam para uma guerra longa e desgastante. Isso ocorre no momento em que Moscou adota a estratégia de ganhos progressivos no campo de batalha, com foco no leste e no sul da Ucrânia, e abandona o antigo plano de tomar Kiev de imediato.

Antes focados em um desfecho rápido da guerra, os líderes ocidentais agora declaram ter como objetivo enfraquecer a Rússia Essa foi a afirmação do secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd J. Austin III, na segunda-feira, 25, ao final de uma visita à Ucrânia.

Reunido no dia seguinte com 40 países aliados na Base Aérea de Ramstein, na Alemanha, Austin ressaltou a formação da aliança para coordenar uma assistência militar e humanitária à Ucrânia, com a meta principal de "fortalecer as forças armadas da Ucrânia para longo prazo". A linguagem, em parte, pareceu ter como objetivo preparar os norte-americanos para as consequências econômicas e políticas que o conflito pode causar se for estendido.

Estados Unidos não são os únicos a adotar o novo discurso. No Reino Unido, a retórica de um desfecho rápido para a guerra foi substituída por uma linguagem semelhante. O ministro da Defesa britânico, Ben Wallace, disse nesta quinta-feira, 28, por exemplo, que a invasão da Rússia poderia se transformar em uma "ocupação lenta e congelada, como uma espécie de crescimento cancerígeno na Ucrânia".

O discurso já é outro na própria Rússia. Segundo um relatório do Royal United Services Institute, do Reino Unido, quando a guerra começou, o Kremlin acreditava que as forças armadas da Ucrânia seriam rapidamente destruídas e Moscou teria controle suficiente do país para anunciar a no feriado do Dia da Vitória da Rússia, em 9 de maio.

Agora, são realizados avanços mais moderados no leste. "A Rússia está agora se preparando, diplomaticamente, militarmente e economicamente, para um conflito prolongado", disse o relatório

Segundo as autoridades ucranianas, os combates no leste ganharam força nas últimas horas desta quinta-feira. O foco atual é o centro industrial da região. Os militares ucranianos disseram que várias áreas da região de Donbas ficaram sob intenso fogo no último dia, e imagens de satélite mostraram novos danos de bombardeios no último bolsão conhecido de resistência ucraniana em Mariupol.

A ação mais intensa foi em torno de Donetsk e perto da cidade de Kharkiv, que fica fora do Donbas, mas é vista como chave para a aparente tentativa da Rússia de cercar as tropas ucranianas que se encontram nesta região.

O governador de Luhansk, Serhi Haidai, disse que o Exército russo também bombardeou fortemente áreas residenciais no local, localizada também em Donbas. Pelo menos quatro civis morreram no último dia e mais quatro ficaram feridos nos ataques. A Ucrânia pediu a seus aliados que enviem ainda mais equipamentos militares para que possa continuar no conflito. (Com agências internacionais).

Veja também

Mudanças climáticas, a pandemia do coronavírus e a desigualdade produziram crise que afeta milhões de pessoas

Últimas notícias