Forças russas estão mais perto de tomar Mariupol; papa Francisco pede paz

O local, que foi o centro de alguns dos bombardeios mais intensos da guerra, tem importância estratégica e psicológica
| 16/04/2022
- 23:15
Uma das imagens mais marcantes do conflito entre Ucrânia e Rússia
Imagem ilustrativa - (Foto: Reprodução)

O Exército russo está tentando estabelecer controle total sobre Mariupol, cidade portuária no Mar de Azov, disseram as forças armadas da neste sábado. O local, que foi o centro de alguns dos bombardeios mais intensos da guerra, tem importância estratégica e psicológica.

Caso a Rússia assuma o controle total da cidade, seria um marco significativo de avanço no território ucraniano, já que a Rússia também expande as áreas que controla na região de Donbass, em direção à Península da Crimeia. Um porta-voz do Ministério da Defesa russo, major-general Igor Konashenkov, disse neste sábado que a única chance de a resistência ucraniana salvar suas vidas "é depor voluntariamente as armas e se render".

Em uma entrevista hoje à mídia local, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, pareceu reconhecer que a Rússia controlava a maior parte da cidade. "A situação em Mariupol não está melhorando", disse ele. "Nossos militares estão bloqueados, os feridos estão bloqueados, há muitos deles, que infelizmente foram mortos", afirmou.

Por outro lado, autoridades russas revelaram neste sábado que outro de seus generais, o vice-comandante do 8º Exército, major-general Vladimir Frolov, foi morto em combate na Ucrânia. O órgão não forneceu detalhes adicionais.

Papa Francisco

O papa Francisco, em homilia da vigília pascal na Basílica de São Pedro, pediu por "gestos de paz nestes dias marcados pelo horror da guerra". O evento deste sábado foi marcado pela presença do prefeito da cidade ucraniana de Melitopol, Ivan Federov, e por três legisladores ucranianos, Maria Mezentseva, Olena Khomenko e Rusem Umerov.

O sumo pontífice observou ainda que, embora "muitos escritores tenham evocado o embelezamento das noites estreladas, as noites de guerra, no entanto, são dilaceradas por raios de luz que pressagiam a morte". Francisco não se referiu diretamente à invasão da Ucrânia pela Rússia, mas pediu uma trégua de para alcançar uma paz negociada. Hoje, a Rússia retomou os ataques com mísseis e foguetes contra Kiev, capital da Ucrânia.

Ao fim da homilia, o papa dirigiu-se diretamente ao prefeito de Melitopol e aos legisladores ucranianos, sentados juntos na primeira fila. "Nesta escuridão da guerra, na crueldade, estamos todos orando por vocês e com vocês esta noite. Estamos orando por todo o sofrimento. Nós só podemos dar-lhes a nossa companhia, nossa oração", disse Francisco, acrescentando que "a maior coisa que vocês podem receber: Cristo ressuscitou", falando as últimas palavras em ucraniano. Fontes: Dow Jones Newswires e Associated Press.

Veja também

Bicampeã olímpica pelos EUA foi detida em fevereiro em Moscou

Últimas notícias