China rejeita 'qualquer pressão ou coerção' para Rússia a encerrar a guerra na Ucrânia

China não quer persuadir Rússia com relacionamento entre países.
| 14/04/2022
- 15:58
Rússia
Putin e Xi Jinping. (Foto: Divulgação / Kremlin)

A disse nesta quinta-feira, 14, que rejeitaria "qualquer pressão ou coerção" sobre seu relacionamento com a Rússia, em resposta a um apelo da secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, para que Pequim use seu "relacionamento especial com a Rússia" para persuadir Moscou a encerrar a guerra na Ucrânia.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, defendeu a posição da China na guerra, dizendo que "fez esforços consideráveis para diminuir a situação, desarmar a crise e reconstruir a paz".

A China se recusou a condenar a invasão da Ucrânia pelo parceiro estratégico Rússia, ou mesmo se referir ao conflito como uma guerra."Nós nos opomos a acusações e suspeitas infundadas contra a China, nem aceitaremos qualquer pressão ou coerção", disse Zhao. "O dirá que as alegações da China estão do lado certo da história".

A China também ampliou a propaganda russa sobre a guerra, incluindo alegações não comprovadas de que os EUA e a Ucrânia estão desenvolvendo armas biológicas. O país se opôs firmemente às sanções econômicas contra a Rússia e se absteve ou ficou do lado de Moscou nas votações da ONU após o início da guerra em 24 de fevereiro, apenas algumas semanas depois que o líder russo Vladimir Putin se encontrou com o chinês Xi Jinping em Pequim.

Veja também

As chances de um "pouso suave" nos Estados Unidos, em meio à subida de juros...

Últimas notícias