Mundo

Bill Gates patrocina estudo para ‘escurecer o sol’ e reduzir aquecimento global

O fundador da Microsoft, Bill Gates, estaria financiando um estudo um pouco inusitado. Juntamente com cientistas da Harvard, o milionário quer usar na atmosfera um aerossol que seria capaz de dissipar a quantidade luz solar que incide sobre a superfície terrestre, segundo a revista Forbes. A ideia do estudo é conter o aquecimento global. Em […]

Carolina Rocha Publicado em 02/02/2021, às 14h42

Reprodução
Reprodução - Reprodução

O fundador da Microsoft, Bill Gates, estaria financiando um estudo um pouco inusitado. Juntamente com cientistas da Harvard, o milionário quer usar na atmosfera um aerossol que seria capaz de dissipar a quantidade luz solar que incide sobre a superfície terrestre, segundo a revista Forbes. A ideia do estudo é conter o aquecimento global.

Em tradução a sigla em inglês, o nome do projeto é um pouco difícil de decifrar: Experimento de Perturbação Controlada Estratosférica. O projeto estuda borrifar atóxica de carbonato de cálcio na atmosfera para compensar os efeitos do aquecimento global e refletir parte da luz solar de volta ao espaço.

Essa ideia surgiu a partir de um estudo em 2017 feito pelo Instituto da Califórnia e cientistas de Harvard, onde apontou que o aerossol de carbonato de cálcio pode ajudar a reduzir o aquecimento da terra, mantendo intactas as partículas essenciais que compõe a estratosfera. Segundo a revista, a questão mais delicada do “escurecimento do sol” é que, não se sabe o quanto o aerossol seria suficiente para resfriar a atmosfera em um nível sustentável.

Os cientistas também alegam que o aerossol poderia ser eficiente apenas para dispensar a luz solar e por isso, resfriaria a superfície terrestre. Mas nada disso seria de efeito imediato, demora para que haja mudança química na estratosfera.

A missão financiada por Gates vai dar seu primeiro passo em junho. Será liberado no céu da Suécia um balão para que sejam testados os sistemas operacionais e de comunicação que serão responsáveis pela emissão da poeira de CaCO3 na atmosfera, caso ela chegue às etapas mais avançadas. A Swedish Space Corporation, uma estatal suéca de tecnologia espacial, está envolvida nessa etapa do projeto.

Jornal Midiamax