Mundo

Grupo de Lima critica Maduro eleição da Assembleia Nacional

O Grupo de Lima emitiu uma nota neste domingo, 5, na qual condena o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, por ter impedido que deputados de oposição pudessem entrar na sede da Assembleia Nacional, onde ocorreu a votação para a escolha da nova mesa diretora. “Os países do Grupo de Lima condenam o usa da força […]

Agência Estado Publicado em 05/01/2020, às 23h40

Principal foco de tensão se refere a ações do regime chavista de Nicolás Maduro (foto). (Fábio Pozzebom/ Agência Brasil)
Principal foco de tensão se refere a ações do regime chavista de Nicolás Maduro (foto). (Fábio Pozzebom/ Agência Brasil) - Principal foco de tensão se refere a ações do regime chavista de Nicolás Maduro (foto). (Fábio Pozzebom/ Agência Brasil)

O Grupo de Lima emitiu uma nota neste domingo, 5, na qual condena o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, por ter impedido que deputados de oposição pudessem entrar na sede da Assembleia Nacional, onde ocorreu a votação para a escolha da nova mesa diretora.

“Os países do Grupo de Lima condenam o usa da força pelo regime ditatorial de Nicolás Maduro para impedir que os deputados da Assembleia Nacional pudessem chegar livremente à sessão, convocada por hoje, 5 de janeira, para eleger democraticamente sua mesa diretora.

A Assembleia Nacional tem o direito constitucional de reunir-se sem intimidações ou interferências a fim de eleger seu presidente e diretores, de forma que não reconhecemos o resultado de uma eleição que viola estes direitos e que foi realizada sem a plena participação dos deputados que foram à sessão”, diz a nota assinada em conjunto pelos governos de Brasil, Canadá, Colômbio, Paraguai, Bolívia, Chile, Peru, entre outros.

Entre os deputados que foram barrados pela Guarda Nacional da Venezuela está Juan Guaidó, reconhecido como presidente legítimo do país por mais de 50 países, entre eles Brasil e Estados Unidos.

Jornal Midiamax