Mundo

Dinamarca abaterá 17 milhões de animais após identificar coronavírus modificado em mamíferos

Algumas regiões da Dinamarca irão enfrentar medidas novas e restritas de lockdown, além do abate de milhões de animais. A decisão foi tomada após autoridades de saúde descobrirem pessoas e mamíferos contaminados com uma linhagem modificada do novo coronavírus. Os animais que portam essa nova linhagem do vírus são os visons, uma espécie de mamífero […]

Gabriel Neves Publicado em 06/11/2020, às 07h40

Carcaças de visons sendo descartadas na Dinamarca; país sacrificará até 17 milhões de animais para evitar contaminação por coronavírus. (Foto: Reprodução/Mette Moerk via Reuters)
Carcaças de visons sendo descartadas na Dinamarca; país sacrificará até 17 milhões de animais para evitar contaminação por coronavírus. (Foto: Reprodução/Mette Moerk via Reuters) - Carcaças de visons sendo descartadas na Dinamarca; país sacrificará até 17 milhões de animais para evitar contaminação por coronavírus. (Foto: Reprodução/Mette Moerk via Reuters)

Algumas regiões da Dinamarca irão enfrentar medidas novas e restritas de lockdown, além do abate de milhões de animais.

A decisão foi tomada após autoridades de saúde descobrirem pessoas e mamíferos contaminados com uma linhagem modificada do novo coronavírus.

Os animais que portam essa nova linhagem do vírus são os visons, uma espécie de mamífero que se assemelha às doninhas, além das pessoas que vivem no norte do país.

Segundo autoridades do país o vírus modificado poderá ser mais resistente a futuras vacinas, por conta disso os visons serão abatidos.

Parlamentares exigiram provas que justifiquem o abate de 17 milhões de animais, que custará mais de US$ 800 milhões ao estado, conforme publicado na CNN Brasil.

“Estamos pedindo para que elas (provas) sejam enviadas para que possamos avaliar a base técnica”, disse o porta-voz do Partido Liberal à emissora TV2 na quarta-feira (4).

Jornal Midiamax