Mundo

Coronavírus: grupos pressionam Índia a rescindir patente de medicamento

Dois grupos de advogados assinaram uma carta ao governo da Índia, pedindo a rescisão de patentes concedidas ao laboratório Gilead Sciences pelo medicamento remdesivir. A ideia é que a droga possa ser distribuída de maneira mais justa a pacientes com coronavírus pelo mundo, principalmente nos países mais pobres. O remdesivir é o único medicamento aprovado […]

Matheus Maderal Publicado em 15/05/2020, às 10h12

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa - Imagem ilustrativa

Dois grupos de advogados assinaram uma carta ao governo da Índia, pedindo a rescisão de patentes concedidas ao laboratório Gilead Sciences pelo medicamento remdesivir. A ideia é que a droga possa ser distribuída de maneira mais justa a pacientes com coronavírus pelo mundo, principalmente nos países mais pobres.

O remdesivir é o único medicamento aprovado para o tratamento para a covid-19 no país, após testes preliminares terem apresentado resultados promissores nos Estados Unidos, onde reguladores de saúde autorizaram o uso do medicamento em situações de emergência.

As três patentas do laboratório ligadas ao medicamento datam de 2009, quando a empresa estava desenvolvendo um tratamento para o vírus ebola.

Para aumentar o acesso ao medicamento, a Gilead disse que iria assinar contratos de não-exclusividade com cinco fabricantes de medicamentos genéricos na Índia e no Paquistão, permitindo que esses laboratórios vendam a droga a 127 países.

No entanto, grupos de saúde afirmam que os contratos podem significar que versões mais baratas do medicamento podem não serem acessíveis em países vistos como não lucrativos para as empresas em questão.

A carta foi assinada pela ONG Third World Network, com sede na Malásia. (Com agências internacionais)

Jornal Midiamax