Mundo

Iceberg 300 mil vezes maior que o do Titanic está em movimento

O iceberg batizado por cientistas de A68, com cerca de um trilhão de toneladas e 300 mil vezes maior do que o iceberg de 125 metros que afundou o Titanic, está em movimento. O A68 se soltou da Antártica em julho do ano passado e nesse período já percorreu 45 quilômetros de sua plataforma de […]

João Victor Reis Publicado em 07/09/2018, às 17h52

O iceberg se desprendeu da plataforma de gelo Larsen no ano passado
O iceberg se desprendeu da plataforma de gelo Larsen no ano passado - O iceberg se desprendeu da plataforma de gelo Larsen no ano passado

O iceberg batizado por cientistas de A68, com cerca de um trilhão de toneladas e 300 mil vezes maior do que o iceberg de 125 metros que afundou o Titanic, está em movimento. O A68 se soltou da Antártica em julho do ano passado e nesse período já percorreu 45 quilômetros de sua plataforma de origem Larsen.

Com cerca de 5.800 quilômetros quadrados de superfície, o iceberg está entre os maiores observados desde o início do rastreamento via satélite. Segundo o site O Globo, o tamanho do iceberg é equivalente ao tamanho do Distrito Federal.

O oceanógrafo polar da Open University Mark Brandon contou em um comunicado enviado à “Live Science” que o iceberg se desprendeu de uma de suas bases no dia 12 de julho e começou a girar rumo ao norte.

Segundo os especialistas, pelo fato de que o A68 se prenderá em algumas montanhas submarinas na região, o iceberg deve se manter na localização em que está, a 45 quilômetros da plataforma de gelo Larsen, por mais alguns meses.

O caminho previsto para o iceberg é que ele percorra por águas mais quentes, onde ele vai se romper e derreter. De acordo com Brandon, isso irá ocorrer entre junho e agosto do ano que vem.

AMBIENTE SUBMARINO EXPOSTO À LUZ SOLAR APÓS 120 MIL ANOS

Segundo o pesquisador sênior da National Show and Ice data Theodore Scambos, a área que o iceberg ocupava antigamente não era exposta à luz solar por cerca de 120 mil anos. Como as plataformas de gelo impedem que os nutrientes atinjam o oceano, o fundo do mar sob essas plataformas costuma ser quase estéril. Agora, esse fundo do mar está subitamente exposto à luz do sol.

Jornal Midiamax