Mundo

Rússia acusa EUA de treinarem centenas de jihadistas para combater Assad

Refugiados afirmam que o campo de treinamento funciona há mais de meio ano

Wendy Tonhati Publicado em 16/12/2017, às 11h51

None

Refugiados afirmam que o campo de treinamento funciona há mais de meio ano

A Rússia acusou neste sábado (16) os Estados Unidos de treinarem centenas de jihadistas perto de um campo de refugiados na cidade da Al Hasakah, no nordeste da Síria, a fim de lançar uma nova contraofensiva contra o Exército sírio. As informações são da agência de notícias espanhola EFE.

“Sob o comando de instrutores americanos das forças de operações especiais está sendo criada uma nova unidade chamada Novo Exército Sírio a partir de grupos espalhados de terroristas”, informou o Centro Russo para a Reconciliação na Síria da em um comunicado.

A nota oficial destaca que o treinamento está sendo realizado nas imediações do campo de refugiados que está 20 quilômetros ao nordeste da cidade da Al-Shaddadah, em Al Hasakah.

“Segundo relatos de refugiados que retornaram às suas casas, os instrutores americanos anunciaram que, quando o treino terminar, as unidades serão desdobradas no Sul da Síria para lutar contra as forças governamentais”, acrescenta o centro.

Os refugiados afirmam que o campo de treinamento funciona há mais de meio ano e é utilizado pela coalizão internacional liderada por Washington “como base de adestramento para os terroristas que chegam de diferentes partes da Síria”.

“Atualmente, nos arredores do campo de refugiados estão concentrados cerca de 750 terroristas procedentes de Raqqa, Deir ez-Zor, Abu Kamal e os territórios ao leste do rio o Eufrates”, destaca a nota.

Segundo a fonte, “o grosso dessas unidades é representado por mais de 400 terroristas do Estado Islâmico que chegaram livremente por estrada desde Raqqa em outubro com o apoio dos EUA”.

Recentemente, o chefe do Estado-Maior do Exército russo, Valeri Guerasimov, criticou o papel desempenhado pela coalizão internacional e lembrou que, durante o ano em que interveio na Síria, o Estado Islâmico chegou a controlar 70% do território do país.

“A situação era crítica. Mais um mês e meio e a Síria teria deixado de existir como Estado”, afirmou Guerasimov.

Isso ocorre depois que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, proclamou a “completa derrota” do Estado Islâmico na Síria e visitou na segunda-feira pela primeira vez a base aérea russa de Khmeimim, no país árabe.

Na ocasião, Putin anunciou a retirada em ordem parcial de tropas russas desdobradas na região desde o final de 2015, embora ainda permaneçam soldados e aviões em Khmeimim e na base naval de Tartus.

Jornal Midiamax