Mundo

China começa reconstrução após tufão que deixou 28 mortos e 15 desaparecidos

Meranti foi o pior tufão dos últimos 21 anos

Norberto Liberator Publicado em 19/09/2016, às 13h20

None
tufao_reuters.jpg

Meranti foi o pior tufão dos últimos 21 anos

O Meranti, maior tufão já ocorrido em 21 anos, deixou 28 pessoas mortas e 15 desaparecidos na China, durante sua passagem pelo país no último fim de semana. Nesta segunda-feira (19), o país começa a trabalhar para se recuperar dos estragos.

De acordo com o jornal chinês Global Times, as autoridades da província de Fujian já iniciaram os trabalhos de reconstrução dos locais atingidos pelo Meranti, “para fazer a vida voltar ao normal”. As buscas e resgates também seguem na província.

O supertufão havia passado por Taiwan, onde deixou mais de meio milhão de casas sem energia elétrica, desalojou milhares de pessoas e provocou ventos de cerca de 370km/h.

Como já era esperado pelas autoridades chinesas, o supertufão causou deslizamentos de terra em Fujian, provocando uma morte e deixando mais de 50 feridos, além de cerca de 18,3 mil casas destruídas. Segundo o governo da província, a região teve um prejuízo de mais de 16,9 bilhões de yuans (cerca de R$ 9 bilhões).

O jornal australiano The Sydney Mourning Herald afirma que, durante a pessagem pela província de Chekiang, 10 pessoas morreram e quatro estão desaparecidas, devido aos deslizamentos e descargas elétricas causadas pelo Meranti em áreas rurais.

Em Taiwan, a chegada de mais um tufão, o Malakas, aparentemente não causou mortes. A passagem forçou escolas e companhias de viagem a cancelar ou adiar seus serviços.

Jornal Midiamax