Mundo

Rei saudita nomeia novo herdeiro e promove o filho

Sobrinho e ministro do Interior foi nomeado como herdeiro do trono

Gerciane Alves Publicado em 29/04/2015, às 11h59

None
rei.jpg

Sobrinho e ministro do Interior foi nomeado como herdeiro do trono

Três meses depois de assumir o trono da Arábia Saudita, o rei Salman nomeou nesta quarta-feira (29) como novo príncipe herdeiro o poderoso ministro do Interior, ao mesmo tempo que tornou um de seus filhos o segundo na ordem de sucessão.

Com um decreto publicado nesta quarta-feira, o soberano substituiu seu herdeiro ao trono, o príncipe Moqren, por seu sobrinho e ministro do Interior, Mohamed bin Nayef, de 55 anos, até agora o segundo na ordem de sucessão.

“Decidimos aceitar o pedido do príncipe herdeiro de ser substituído”, anunciou o palácio real. Moqren também deixou o posto de vice-primeiro-ministro, assumido por Nayez, que manterá a pasta do Interior.

Nayef lidera a luta contra a Al-Qaeda, que viu sua presença debilitada no reino. Após a morte de seu pai e ministro do Interior, ele foi nomeado para o cargo em 2012.

Sua designação confirma a ascensão política dos príncipes de segunda geração, ou seja, os netos de Abdel Aziz, fundador do reino saudita.

Moqren, 69 anos, é o filho mais jovem do 35 que teve Abdel Aziz. Ele virou o príncipe herdeiro depois da morte do rei Abdullah, sucedido em 23 de janeiro por seu meio-irmão Salman bin Abdel Aziz, de 79 anos.

O rei também nomeou seu filho e ministro da Defesa, o príncipe Mohamed bin Salman, de 30 anos, o segundo na linha de sucessão. O príncipe preside o Conselho Econômico e de Desenvolvimento, um órgão de coordenação criado por seu pai.

Esta é a segunda reforma governamental desde a entronização de Salman, que destituiu dois filhos de seu antecessor.

Em seu reinado, a Arábia Saudita adotou um papel de maior destaque na política externa, à frente de uma coalizão árabe que executa uma operação militar no Iêmen para impedir que os rebeldes xiitas, aliados do Irã, assumam o controle do país, na fronteira sul do reino.

Com a campanha, o ministro da Defesa virou uma figura de importante nas últimas semanas.

Mudança na diplomacia

O príncipe Moqren tinha uma posição apenas “protocolar” no reinado de Salman, enquanto Mohamed bin Salman se perfila cada vez mais como o “homem forte” da Arábia Saudita, disse um diplomata ocidental.

Dentro da ampla remodelação do governo, o rei aceitou a saída do príncipe Saud al-Faisal, que comandou durante 40 anos o ministério das Relações Exteriores da Arábia Saudita, o principal exportador mundial de petróleo. Ele será substituído pelo embaixador em Washington, Adel al-Jubeir.

Saud, um dos chanceleres há mais tempo no cargo no mundo, pediu para deixar o ministério por motivos de saúde, segundo o palácio real.

Nascido em 1940, Saud tem problemas de coluna vertebral e passou por uma cirurgia nos Estados Unidos. Ele foi nomeado nesta quarta-feira conselheiro e enviado especial do rei, conservando um papel de supervisão das Relações Exteriores.

Em outro decreto, o rei pede à população saudita que “jure lealdade” a partir desta quarta-feira aos príncipes Mohamed bin Nayez e Mohamed bin Salman.

Jornal Midiamax