Mundo

Presidente aponta possíveis falhas de segurança em incêndio em boate na Romênia

Incêndio matou 27 pessoas

Clayton Neves Publicado em 31/10/2015, às 17h00

None
romania-blast_-ght2eu8os.1.jpg

Incêndio matou 27 pessoas

O presidente da Romênia, Klaus Iohannis, declarou neste sábado que a boate onde ocorreu um incêndio na sexta-feira à noite em Bucareste, matando 27 pessoas, não respeitou as regras de segurança.

"Estou triste, comovido, mas também revoltado que uma tragédia desse tipo tenha acontecido em Bucareste", declarou o chefe de Estado, que afirmou que as autoridades já têm "indícios que mostram que regras de segurança não foram respeitadas".

E após visitar o local da tragédia, o presidente considerou "inimaginável haver tanta gente reunida para um show em um espaço tão pequeno e que uma tragédia tenha acontecido porque normas simples de segurança foram ignoradas".

"Os investigadores estão recolhendo provas, é um trabalho particularmente minucioso, que leva tempo", declarou à AFP a porta-voz do Ministério Público geral, Simona Frolu.

O governo declarou "luto nacional de três dias" a partir deste sábado em razão de um dos acidentes mais graves nas últimas décadas no país.

O desastre ocorreu na boate Colectiv, no centro de Bucareste, quando às 23h00 locais (19h00 de Brasília) centenas de jovens – entre 300 e 500 de acordo com o ministério do Interior – assistiam a um show de hard rock da banda "Goodbye to Gravity", que promovia o seu novo álbum, na véspera do Dia das Bruxas.

O incêndio teria sido iniciado após uma explosão durante um espetáculo pirotécnico, segundo testemunhas citadas pela imprensa local.

Um pilar e uma parte do teto pegaram fogo, que rapidamente se espalhou pelo material altamente inflamável de isolamento acústico.

Segundo um representante da empresa responsável pelo isolamento acústico, os donos da boate escolheram o material mais barato, sem se preocupar com os riscos de um incêndio e sem pedir a autorização dos bombeiros.

Várias pessoas ficaram feridas após serem pisoteadas pela multidão que tentava sair apressadamente do local em meio ao pânico, enquanto outras sofreram intoxicação por monóxido de carbono.

Dois guitarristas estão estre os mortos, enquanto outros três membros do grupo estão gravemente feridos, de acordo com a agência de notícias Mediafax.

"As pessoas desmaiaram por causa da fumaça. Era um caos total, muitas pessoas foram pisoteadas", relatou Victor Ionescu, uma testemunha da tragédia.

A propagação do fogo "se deu em um curtíssimo período de 30 segundos. As pessoas não conseguiam sair da boate porque só havia uma porta de saída aberta", contou outra testemunha, Alain Panduru, ao portal de notícias online HotNews.

De acordo com vários meios de comunicação, a segunda porta de saída estava fechada no momento do acidente.

Segundo o vice-ministro do Interior, Raed Arafat, 27 pessoas, em sua maioria jovens ou adolescentes, morreram no incêndio. Onze vítimas, incluindo sete mortos, ainda não foram identificadas, segundo o ministro da Saúde Nicolae Banicioiu.

Cerca de 200 pessoas ficaram feridas, das quais 146 hospitalizadas.

Fontes médicas informaram que nove feridos estão em estado grave.

As autoridades abriram uma investigação para determinar as causas do acidente.

"Estou chocado e minha dor é profunda após a tragédia que aconteceu esta madrugada no centro da capital. É um momento muito triste para nossa nação", reagiu o chefe de Estado, Klaus Iohannis, em sua página no Facebook.

O presidente também expressou sua "solidariedade" para com as famílias das vítimas.

O Ministério do Interior disponibilizou às famílias das vítimas vários números de telefone para que possam ter notícias de seus parentes.

Imediatamente após o incêndio, foi criada uma página no Facebook em que os romenos são convidados a doar sangue.

"Esta noite houve uma tragédia em Bucareste. No momento temos reservas suficientes de sangue, mas amanhã vamos precisar de mais", escreveram os administradores da página.

Este incidente lembra a tragédia da boate Kiss, ocorrida em uma casa noturna no sul do Brasil, em janeiro de 2013, onde 242 pessoas morreram.

O incêndio também foi causado por um fogo de artifício disparado por um membro de uma banda que se apresentava no local.

A maioria das vítimas, jovens que participavam de uma festa universitária, morreu por asfixia.

Jornal Midiamax