Mundo

Menino de 11 anos é acusado de matar vizinha de 8 nos Estados Unidos

Incidente ocorre em meio a um amplo debate sobre a necessidade de maior controle de armas no país

Gerciane Alves Publicado em 06/10/2015, às 16h14

None
vizinha.jpg

Incidente ocorre em meio a um amplo debate sobre a necessidade de maior controle de armas no país

Menina morre com tiro no peito supostamente por não deixar que vizinho brincasse com seu novo cachorro. Incidente no Tennessee ocorre em meio a um amplo debate sobre a necessidade de maior controle de armas no país.

Um menino de onze anos do estado americano do Tennessee foi colocado sob custódia nesta segunda-feira (6) sob a acusação de atirar e matar com uma espingarda uma vizinha de oito anos de idade, no parque de trailers onde moravam.

A mãe da menina, Latasha Dyer, contou que sua filha, Maykayla, brincava quando o menino pediu para ver seu novo animal de estimação, um filhote de cachoro. Ela negou, e pouco depois, recebeu um tiro no peito.

O menino estava dentro de sua casa quando atirou em sua vizinha com uma espingarda calibre 12, jogando a arma no chão, próxima ao corpo da menina. O armamento tinha sido legalmente adquirido.

Latasha afirma que o menino começou a perturbar sua filha logo após sua família se mudar para a White Pine, uma cidade de 2,2 mil habitantes. “Ele a xingava, ridicularizava, era maldoso com ela”, diz.

Ela conta que reclamou ao diretor da escola sobre o menino, que parou de perturbar Maykayla por algum tempo, mas pouco depois, acabou atirando nela. A mãe descreveu a filha como uma “menina preciosa, não importa com que humor nós estávamos ela sempre nos fazia sorrir”.

O xerife do condado, Bud McCoig, afirmou que o menino será acusado de assassinato em primeiro grau. Um juiz o encaminhou a um centro de detenção juvenil até a próxima audiência, marcada para o dia 28 de outubro, quando será decidido se será julgado como delinquente juvenil ou como adulto.

“Os dois eram vizinhos e, nesse bairro, todas as crianças brincam juntas e se conhecem, além de irem todas à mesma escola”, afirmou o xerife. Ele, porém, não quis fornecer maiores detalhes, explicando que cinco outras crianças residem na casa onde o menino morava, e outras duas, na casa da menina.

“Estamos tentando protegê-los, embora estejam sofrendo bastante com essa tragédia”, afirmou McCoig.

O incidente ocorre em meio a um amplo debate nos Estados Unidos sobre a necessidade de maior controle de armas no país.

Após o massacre ocorrido no Oregon na semana passada, quando um atirador invadiu e abriu fogo numa faculdade, matando nove pessoas, o presidente americano, Barack Obama, fez severas críticas ao lobby da indústria de armas e aos legisladores que a apoiam. Notícias sobre tragédias do tipo passaram a ser “rotina” no EUA, e a população se tornou “insensível a isso”, disse o presidente.

Jornal Midiamax