Mundo

Justiça argentina designa três promotores para substituir o falecido Nisman

Promotor morto denunciou a presidente da Argentina, Cristina Kirchner

Clayton Neves Publicado em 13/02/2015, às 20h24

None
15-nisman.jpg

Promotor morto denunciou a presidente da Argentina, Cristina Kirchner

A justiça argentina designou nesta sexta-feira três promotores para seguir com a investigação do atentado antissemita de 1994, em substituição a Alberto Nisman, encontrado morto há um mês, informou a Procuradoria Geral da Nação.

“Designamos três promotores e um coordenador para substituir Nisman”, anunciou a procuradora-geral Alejandra Gils ao revelar os nomes da equipe que assumirá as tarefas da Promotoria Especial AMIA.

Mais cedo, a presidente da Argentina Cristina Kirchner foi acusada pelo suposto acobertamento de iranianos na investigação sobre o atentado antissemita de 1994, como havia denunciado o promotor Alberto Nisman.Kirchner, de 61 anos, poderá ser intimada a prestar depoimento, presencial ou por escrito, se o juiz que conduz o caso, Daniel Rafecas, assim decidir.

Jornal Midiamax