Mundo

Homem envia 240 rosquinhas para polícia como lição

A entrega foi feita por um norte-americano 

Diego Alves Publicado em 27/11/2015, às 02h52

None
dfkap0bti6eklc363q69e7765.jpg

A entrega foi feita por um norte-americano 

O Departamento de Polícia da Universidade de Wisconsin-Madison recebeu uma encomenda um tanto quanto inusitada nesta quarta-feira (25): centenas de rosquinhas, mais especificamente 240. A entrega foi feita por um norte-americano de 31 anos após ele ter sido expulso na saída de um jogo de futebol no último sábado (21).

O motivo da expulsão, segundo o policial Marc Lovicott revelou ao site "ABC News", teria sido um mal-entendido com os assentos demarcados do estádio. Segundo políticas do Camp Randall, local onde ocorreu o jogo, os estudantes da universidade devem sempre se sentar onde estão designados e ter o bilhete em mãos a todo o momento, ou podem ser retirados do estabelecimento.

O homem, que era irmão de um dos alunos e voou de Los Angeles até Wisconsin para encontrar 12 amigos que estariam no jogo, no entanto, teve um lugar marcado longe do grupo. "Quando eu tentei entrar em uma seção, estava cercado por vários oficiais que não tinham nenhum interesse na minha situação ou minhas intenções", escreveu o homem em um e-mail à polícia. "Eles explicaram que eu não podia entrar ali e que eu devia sair imediatamente."

Na segunda-feira (23), Nabil Elghadban, proprietário de uma padaria da região, afirmou ter recebido um telefonema com um pedido muito específico. Isso porque o rapaz pediu uma encomenda de 240 rosquinhas, todas do sabor coco. "Normalmente as pessoas pedem misto. Há sempre uma variedade", disse à rede "ABC News".

No entanto, apesar da entrega generosa, os policiais repassaram o presente. "As rosquinhas estão embaladas e enviamos para o Exército de Salvação", afirmou o oficial Lovicott. "Os policiais aqui não são muito fãs de doces. Temos uma alimentação saudável."

Para o policial, este caso será levado como um aprendizado para outros futuros problemas com demarcações de assentos em jogos. "Eu não acho que a escola vai mudar a política dos lugares, mas com essa entrega nós fomos lembrados do papel que temos na sociedade", declarou. "A partir de agora, iremos pensar antes de tomar uma última decisão."

Jornal Midiamax