Mundo

Coreana engana família e imprensa ao dizer que foi aceita em Harvard e Stanford

Coreana de 17 anos que mora nos EUA também disse que recebeu telefonema de Mark Zuckerberg

Gerciane Alves Publicado em 23/06/2015, às 20h11

None
harvard.jpg

Coreana de 17 anos que mora nos EUA também disse que recebeu telefonema de Mark Zuckerberg

Parecia o surgimento de um gênio. Uma estudante coreana de 17 anos que mora nos EUA contou aos pais e à imprensa local ter sido aceita nas universidades de Harvard e Stanford, duas das instituições de ensino superior mais prestigiadas do país. Ela também disse em entrevistas que ganhou bolsas para frequentar ambas as faculdades, beneficiando-se de um esquema inédito bolado pelas universidades para dividir a honra de ter a aluna em seus quadros dicentes. A asiática garantiu que o empresário Mark Zuckerberg, dono do Facebook, ligou para ela pedindo para a adolescente aceitar o convite de Harvard, onde ele próprio estudou.

A história chegou até os sites de notícia da Coreia do Sul, mas era mentira. A aluna inventou tudo para impressionar seus pais, professores e colegas, explica uma reportagem do “Washington Post”.

A “garota genial”, como foi apelidada pela imprensa asiática, está concluindo o ensino médio na Thomas Jefferson High School for Science and Technology, em Alexandria, no estado da Virginia. A própria comunidade do colégio estava em festa, mas a farsa acabou quando a diretora de Comunicação de Harvard, Anna Cowenhoven, enviou um e-mail à agência de notícias coreana Yonhap: “Nós tomamos ciência de uma suposta carta de admissão enviada à aluna pela Harvard. Podemos confirmar que essa carta é forjada”.

Segundo a versão da aluna, ela poderia estudar dois anos em Harvard e mais dois em Stanford. Mas o e-mail de Cowenhoven desmentiu: “Apesar de informações na mídia, não existe um programa pelo qual um estudante pode fazer isso”.

Depois de descobrir a mentira, os pais da aluna enviaram um pedido de desculpas.

“Lamento sinceramente pelo trabalho causado com algo que não é verdade. Estou profundamente arrependido por ter falhado em observar que a criança estava enfrentando uma situação dolorosa e difícil e por ter agravado e aumentado seu sofrimento. De agora em diante, toda a família vai levar uma vida tranquila, se dedicando a curar a criança e a cuidar dela. Por favor, me desculpem por não poder oferecer uma explicação detalhada sobre a situação, que ainda não foi de todo esclarecida”.

Jornal Midiamax