Pioneiro na tradição do chamamé em MS, Elinho do Bandoneon deixa marco na história da música

Pelas redes sociais, amigos prestaram homenagem ao músico autodidata que trouxe o estilo chamamé para o Estado
| 11/05/2022
- 11:09
Elinho
Elinho tocava vários instrumentos. (Foto: Arquivo Pessoal)

Manoel Alfredo Ferreira, mais conhecido como Elinho do Bandoneon, morreu na terça-feira (10), aos 85 anos, após um período acamado em uma clínica para idosos. Amigos e familiares prestaram homenagens de despedida, relembrando a trajetória do artista autodidata, que deixa um marco na história da música de Mato Grosso do Sul, sendo pioneiro na tradição do chamamé.

Tocando acordeon, Elinho trouxe o estilo de música nascido na Argentina que disseminou pelo e, logo em seguida, no Estado. O fascínio começou cedo, com as primeiras noções musicais passadas pela mãe.

Os passos na música começaram nos anos 60, mas, a partir da década de 90, passou a se dedicar ao bandoneon. Seguiu para Corrientes, na Argentina, onde encontrou os melhores instrumentistas do chamamé, aprimorando a técnica. O instrumento musical se tornou o principal nas orquestras de tango e variações do chamamé, pela vibração potente das duas palhetas.

Elinho é considerado por muitos como a lenda do chamamé, o extenso currículo de apresentações por vários estados brasileiros e pela América do sul.

Ainda neste ano, o Senado aprovou por unanimidade o título de Capital Nacional do Chamamé para Campo Grande. O senador (PSD) relatou o Projeto de Lei (PL) nº 4.528, de 2019, de autoria do deputado Fábio Trad, que propôs o reconhecimento e teve, antecipadamente, a aprovação na Câmara Federal no fim do ano passado. Elinho foi citado na bancada como um um dos músicos reesposáveis pela história do chamamé em terras sul-mato-grossenses.

Na comemoração dos 40 anos de criação do Estado, em 2017, o músico esteve presente na programação, destaque por artista pioneiro e música raiz.

Elinho pioneiro no chamamé
CD lançado por Elinho. (Foto: Arquivo Pessoal)

Pioneiro do chamamé

Pelas redes sociais, amigos e familiares prestaram homenagem ao artista. “A vida é infinita, mas aqui no plano material é tão curta, o suficiente para lançarmos sementes e cuidar para que frutifiquem. Hoje, lembrando Elinho Bandoneon, Celito Espíndola me dizia: Mesmo que a vida pessoal seja sacrificada para muitos, o verdadeiro artista produz muitas riquezas. E assim foi com Elinho, que se apaixonou pelo Chamamé, pegou seu Chevette e foi para Corrientes, beber na fonte. De lá pra cá, tudo é história”, escreveu um amigo.

Outro relembrou do CD Elinho do Bandeon - Sempre chamameceiro, são 12 faixas tocadas por ele. “Se foi, mas sua arte acompanhará para sempre”, pontuou.

Elinho foi velado na Capela do Jardim das Palmeiras.

Veja também

Nas redes sociais, a Haiwanna comemorou as mais de duas décadas de estrada

Últimas notícias