Pronto para o apocalipse? Campo-grandense faz ‘guia’ para enfrentar caos do desabastecimento

“Eu garanto que a maioria das pessoas normais não tem ideia de que se os caminhões parassem de andar por todo o país bastaria um pequeno período de tempo para que quase todos Brasileiros estivessem em uma situação de perigo devido ao intenso atraso nas entregas de suprimentos. […] Uma ruptura severa nas entregas por caminhões […]
| 24/05/2018
- 21:02
Pronto para o apocalipse? Campo-grandense faz ‘guia’ para enfrentar caos do desabastecimento

“Eu garanto que a maioria das pessoas normais não tem ideia de que se os caminhões parassem de andar por todo o país bastaria um pequeno período de tempo para que quase todos Brasileiros estivessem em uma situação de perigo devido ao intenso atraso nas entregas de suprimentos. […] Uma ruptura severa nas entregas por caminhões iria impactar nas grandes indústrias e faria o Brasil ficar de joelhos em poucos dias”. Esse declaração foi feita pelo sobrevivencialista campo-grandense Julio Lobo em 2012. Seis anos depois, eis que a crise apocalíptica chegou.

No quarto dia de greve dos caminhoneiros que paralisa parte das rodovias do País, os reflexos já são sentidos pela população. E dentro deste cenário que beira o caos, Julio Lobo fez um “guia” para enfrentar o desabastecimento. Confira:

Pronto para o apocalipse? Campo-grandense faz 'guia' para enfrentar caos do desabastecimento
Foto: Henrique Kawaminami

1. Abastecer

Segundo Lobo, quem não garantiu a tanqueada no carro, não adianta tentar correr para um posto de combustível a essa altura do campeonato – ou melhor, da greve. Muitos postos já anunciam a falta de gasolina. E os que ainda tem, certamente está com uma fila quilométrica.

Contudo, ele faz uma ressalva: “Se você for sortudo e morar em um local onde os postos ainda estão funcionando de maneira adequada e a “corrida pela gasolina” ainda não começou, vá encher seu tanque. Rápido”.

Pronto para o apocalipse? Campo-grandense faz 'guia' para enfrentar caos do desabastecimento

2. Racionamento

É hora de racionar! Segundo o sobrevivencialista, não é possível manter hábitos de conforto diante de um cenário de escassez. Portanto, a regra é simples: economize! Ter cautela é sempre bom.

“Por isso, se você pode ir andando ou de bicicleta para o trabalho, vá! Use seu carro/moto para situações altamente essenciais, pois caso uma emergência acontecer a última coisa que você quer é ficar sem meios de transporte”, pondera Lobo.

Pronto para o apocalipse? Campo-grandense faz 'guia' para enfrentar caos do desabastecimento

3. Estoque de comida

Sem abastecimento nos supermercados, a tendência é as prateleiras começarem a ficar vazias. Por isso, Julio Lobo reforça que é hora de estocar comida e se refere a itens básicos, como arroz, feijão, óleo e semelhantes. 

“Em breve (MUITO EM BREVE), poderemos encontrar uma multidão de pessoas que teve a mesma ideia de comprar comida caso a coisa fique pior. Você precisa considerar um estoque de pelo menos dois meses de comida básica na sua casa“, alerta.

Pronto para o apocalipse? Campo-grandense faz 'guia' para enfrentar caos do desabastecimento

4. Criminalidade

O aumento da criminalidade é outro fator que o sobrevivencialista pontua como reflexo da greve e do desabastecimento. “Com a escassez de produtos, vêm o aumento da violência. Aqueles que não tiverem os recursos que precisam poderão tomar o caminho mais fácil e começar a saquear mercados e efetuar os mais diversos crimes”, diz Lobo.

Outro fato que ele destaca é que se situação se intensificar em breve as viaturas da Polícia ficam sem combustível e compromete o trabalho da segurança.

“Por isso, evite entrar em ambientes onde está havendo confusão entre muitas pessoas (mercados cheios, filas apertadas e semelhantes), fique atento com as movimentações na sua região e se comprar comida ou abastecer seu carro não comente ou mostre isso para ninguém”, sugere.

Pronto para o apocalipse? Campo-grandense faz 'guia' para enfrentar caos do desabastecimento

5. Dinheiro em mãos

Por fim, Julio Lobo alerta principalmente aqueles que costumam utilizar somente o cartão de crédito e débito. “Geralmente, em situações de crise, a primeira tendência é que os poucos mercados com recursos restantes comecem a aceitar somente dinheiro a vista, então vale se precaver e ter alguma coisa em mãos para caso isso realmente aconteça”.

O sobrevivencialista ainda pensa mais longe. “Não somente isso, mas o dinheiro é muito mais versátil até durante eventuais negociações entre vizinhos! Nunca se sabe quando você vai precisar oferecer 50 reais para o vizinho te dar 1 kg de arroz”.

Embora a situação ainda não esteja tão calamitosa assim, sempre é bom se prevenir. Como diz o ditado: “o seguro morreu de velho”. Ou “melhor prevenir do que remediar”.

Veja também

Maior evento de observação de pássaros do mundo catalogou centenas de espécies em MS em 24 horas

Últimas notícias