Quinta-feira Santa provoca ‘meio-feriado’ e nem todo mundo entende o motivo

Desavisados chegaram até a procurar órgãos públicos 
| 14/04/2017
- 00:50
Quinta-feira Santa provoca ‘meio-feriado’ e nem todo mundo entende o motivo

Desavisados chegaram até a procurar órgãos públicos 

O comerciante Amurabe Veron, 53 anos, deu com a cara na porta na tarde desta quinta-feira (13) ao procurar a Central de Atendimento ao Cidadão William Maksoud Filho, em Campo Grande. Desavisado sobre o , ele disse não entender o porquê do 'meio-feriado', que fechou órgãos públicos municipais, estaduais e federais, inclusive do Judiciário. 

“É desrespeitoso isso. Eu não sei porque esse ponto facultativo. Nós estamos trabalhando normalmente e precisamos resolver as nossas coisas. Porque eles não estão? ”, disse.

Para quem segue o catolicismo, a parada na quinta-feira, um dia antes do feriado da Sexta-Feira da Paixão, tem explicação.“É uma semana muito importante. A gente passa um tempo com a família e busca ficar mais próximo de Deus, com nosso jejum e reflexão”, disse a bióloga Carla Freitas, 35 anos.  

Tradição antiga, para dona Odila de Arruda Abrão, 85 anos, aposentada, o período não cabe em palavras, tamanho o significado que tem. “Significa muita coisa para gente né, não consigo colocar em palavras é muito especial”, contou. As duas estavam em uma das igrejas que mais atraem público em Campo Grande, a Perpétuo Socorro, na Afonso Pena.

De acordo com o padre Dirson Gonçalves, 43 anos, 13 de sacerdócio, esse período é o tempo em que o número de pessoas nas celebrações é maior. "Elas querem participar do ministério que faz parte da fé dos cristãos".

Tríduo Pascal

O padre explica que período denominado Tríduo Pascal começa na quinta-feira às 18h, fim da Quaresma, com a celebração do lava-pé, na qual é lembrada a última ceia, quando Jesus lavou os pés de seus discípulos em sinal de humildade e instituiu a Eucaristia – corpo e sangue de Cristo. "A igreja entra então em estado de silêncio, um dia triste pela morte de Jesus", explica.

Ainda de acordo com ele, a Sexta-feira Santa é um dia de reflexão, o único do ano em que não são celebradas missas. O sábado de Aleluia é um dia de vigília, Cristo já morreu. Então é celebrada a Paixão de Cristo, com uma missa mais comprida. Para finalizar, a manhã de domingo, quando é celebrada a , que é a ressurreição de Cristo.

Nas igrejas evangélicas, o período não tem celebrações diferenciadas, segundo pastores ouvidos pela reportagem do Jornal Midiamax."Não existe um rito, apenas o significado", explica o pastor Gladston Amorim, 54 anos, da igreja MInistério Atos de Justiça.

 

Veja também

Maior evento de observação de pássaros do mundo catalogou centenas de espécies em MS em 24 horas

Últimas notícias