MidiaMAIS

Cinemas continuam investindo em estreias, mas amantes se resguardam e ficam em casa: 'frustrante'

Ao todo, as salas de cinema dos shoppings da Capital têm oferecido entre 5 e 8 obras em cartaz

João Ramos Publicado em 15/05/2021, às 09h00

Fãs de filmes ainda não têm frequentado as salas dos cinemas da cidade
Fãs de filmes ainda não têm frequentado as salas dos cinemas da cidade - (Reprodução)

O cenário imposto pela pandemia do coronavírus fechou os cinemas do Brasil por longos meses em 2020, mas não diminuiu o investimento das retransmissoras. A tirar pela quantidade de filmes em cartaz e pelo número de sessões disponibilizadas por dia, as empresas que exibem os longas em Campo Grande seguem apostando firme em lançamentos, sem grandes brechas para reexibições.

Segundo levantamento feito pela reportagem do Jornal Midiamax, ao todo, as salas de cinema dos shoppings da Capital têm oferecido entre 5 e 8 obras em cartaz. O Cinemark conta com cerca de 13 sessões em dias de semana, e no fim de semana chega a oferecer 15. A rede UCI tem disponibilizado de 8 a 11 sessões diariamente, enquanto o Cinépolis se mantém apresentando 15 sessões de filmes quase todos os dias.

Corredor de cinema da Capital (Reprodução)

Fãs consumidores

Antes da pandemia, os amigos André Nicolau e Ingrid Rocha costumavam frequentar sempre os cinemas de Campo Grande, priorizando pré-estreias e se programando com muita antecedência.

Ao Jornal Midiamax, a jornalista e estudante de história Ingrid Rocha afirma que é muito estranho pensar que está há mais de um ano sem ir ao cinema, sem assistir aos lançamentos, e ver que tantas estreias foram canceladas nesse período. Ela tem buscado plataformas online para consumir o conteúdo em casa e acredita que elas se consolidaram muito na pandemia.

"É bem frustrante. Tinha filme, por exemplo, da Marvel, que seriam ligados às séries, eles seriam intercalados para poder se conectar. Aí com a pandemia eles tiveram que adiar muita coisa que a gente tava esperando. Então pra quem é muito fã dessas coisas foi bem frustrante", relata a estudante de história.

Ela conta que estava com uma expectativa muito grande para assistir "Viúva Negra", da Marvel, previsto inicialmente para ser lançado em maio de 2020, um ano atrás. Depois de muitos adiamentos, a nova previsão garante estreia para julho deste ano.

"Viúva Negra", filme da Marvel e da Disney é uma das maiores expectativas do cinema mundial (Reprodução)

Amigo de Ingrid, André está desde março do ano passado sem ir ao cinema e também estava morrendo de ansiedade para "Viúva Negra".

"O último filme que assisti no cinema foi "Sonic". Não pretendo ir tão cedo por causa do cenário da pandemia. Eu sinto que não corro muito risco se tomar os devidos cuidados, mas é algo que eu escolho abrir mão porque sei que a pandemia já tirou muito de todo mundo. Inclusive, já estou planejando adquirir "Viúva Negra" por streaming ao invés de ir assistir no cinema", relata o publicitário.

Além da expectativa para os filmes de herois, ele estava contando os dias pra ver "Um Lugar Silencioso Parte II", que seria lançado bem no comecinho da pandemia. "Tenho visto muitos filmes em casa ultimamente. Recentemente comecei a maratonar novamente os filmes da Marvel, assisti uns 15 nas últimas semanas", conta ele à reportagem do MidiaMAIS.

Unanimidade

Mesmo sendo amantes da sétima arte de uma forma geral, e não só dos filmes da Marvel ou DC, os dois não foram nenhuma vez aos cinemas depois da reabertura das salas. Ingrid diz ter muito medo.

"Não me sinto ainda a vontade para ir ao cinema, não que eu ache que vou ser contaminada, mas não me sinto bem nesse momento para esse tipo de lazer. Eu prefiro ficar na minha casa, me preservar e preservar minha família nesse momento", revela. Mas ela não vê a hora de se sentir tranquila para poder voltar a frequentar as sessões.

"Acho que a sensação de estar naquela sala, o áudio do filme, aquele momento... nada se compara. Em casa é muito bom porque você está no seu conforto e tudo mais. Mas acho que o cinema tem uma emoção, uma energia que é totalmente diferente, então sim eu sinto muita falta. E não vejo a hora de estar todo mundo vacinado e a gente poder ir assistir a um filme, sair com as pessoas que a gente gosta...", finaliza a jornalista.

"Acho que mesmo com vacina, a principal questão em toda essa pandemia é a consciência: pensar no próximo. Tendo isso, tenho certeza que as pessoas vão voltar a ir ao cinema mais rápido e com mais segurança", completa André.

Jornal Midiamax