MidiaMAIS

Após filha de 8 meses ser curada do Covid, mãe agradece profissionais da saúde: ‘São anjos’

A auxiliar de confeitaria Camila Ribeiro da Silva passou 27 dias acompanhando a filha em uma rotina desesperadora no Hospital Regional, mas que foi mais leve graças ao atendimento da equipe médica

Carlos Yukio Publicado em 11/05/2021, às 16h23

(Reprodução, Arquivo Pessoal)
(Reprodução, Arquivo Pessoal)

O coronavírus já infectou 258.662 pessoas desde o início da pandemia em Mato Grosso do Sul até esta terça-feira (11). Muitas dessas pessoas, infelizmente, não sobreviveram. Outras, para o alívio dos familiares, se curaram do mal que nos assola há mais de 1 ano. Uma delas é Pâmela Sophia da Silva, de apenas 8 meses que, segundo a mãe, se não fossem os profissionais de saúde do Hospital Regional, não teria resistido ao susto de 27 dias de internação.

O pesadelo da mãe, a auxiliar de confeitaria Camila Ribeiro, de 29 anos, começou no dia 30 março de 2021. Camila e a filha se mudaram para a casa da avó da bebê em São Paulo em busca de um neurologista para tratamento habitual. Tinham contato com o pai da criança, que morava na cidade. Lá, a mãe relata que a criança começou a sentir alguns sintomas da covid-19.

“Minha bebê ficou ruim, estava cansada. Levei ela na UPA e até então me informaram que era uma bronquite, me passaram medicação e fizeram o teste de covid. Fomos encaminhadas para um hospital da cidade. Tive uma briga com o pai dela, que nos expulsou de casa e no mesmo dia voltei com ela para Campo Grande”, conta a mãe.

Ao chegar em Campo Grande, Camila recebeu o resultado do exame de covid-19 da filha com diagnóstico positivo e prontamente acionou o SAMU. Segundo ela, chegaram rapidamente e deram entrada já no dia 31 de Março no Hospital Regional com encaminhamento direto para o CTI.

Camilla Ribeiro pôde acompanhar a filha de 8 meses durante o tratamento contra o coronavírus (Foto: Arquivo Pessoal)

No hospital, foi constatado que Pâmela estava com insuficiência respiratória aguda, desidratação e hipoglicemia. Além disso, recebeu o diagnóstico de cardiopatia, Tetralogia de fallot, alteração neurológica e distúrbio de movimento.

A bebê de 8 meses teve que fazer transfusões de sangue e a mãe reitera que o tato e profissionalismo da equipe médica foi primordial para que mantivesse a calma e acompanhasse a filha durante todos os 27 dias. Pâmela foi libera no dia 27 de abril após alta e pôde passar o Dia das Mães com Camila saudável no último domingo (9).

“Eu, Camila, pensei: ‘Sem o amor, será que elas estariam aqui se arriscando?'. E vi que o amor é o dom mais lindo de Deus, e vi que Ele capacitou anjos para cuidar da minha filha Sou muito grata a toda equipe da CTI pediátrico do Hospital Regional. Enfermeiros, técnicos, são todos anjos! Queria só dizer a Drª. Thaina Berto de Castro, que continue com o amor que ela tem pelo que ela faz. É linda a dedicação dela e de se notar de longe. Que Deus te abençoe sempre obrigada por tudo”, finaliza.

Jornal Midiamax