MidiaMAIS

Durante entrevista, Felipe Neto diz que conquistas não trazem felicidade

Com muito trabalho, youtuber desabafa que passa por fase difícil

Mariana Lopes Publicado em 02/05/2018, às 09h15

None

Em entrevista para o canal da atriz e apresentadora Giovanna Ewbank, o youtuber Felipe Neto desabafou sobre excesso de trabalho e disse que está passando por uma fase difícil.

“As pessoas associam felicidade às conquistas. A conquista pode te dar a alegria que for, mas ela não te dá felicidade. Não importa o tamanho da sua casa, do seu público, o dinheiro na sua conta. No final do dia, nada disso vai te dar felicidade. Hoje essas coisas são maravilhosas, mas eu estou vivendo um momento muito difícil. Estou longe da minha família, do contato humano, do carinho. Estou trabalhando muito mais do que deveria. E isso, sem dúvida alguma, diminui minha felicidade”, desabafou.

Contudo, Felipe admitiu que não é nada fácil diminuir o ritmo de trabalho, embora ele tenha consciência de que precisa se policiar em relação a isso. “O que eu quero é diminui um pouco, colocar o pé no freio. Eu quero ter mais contato com a minha família, com a minha namorada [Bruna Gomes], com os meus amigos”, e completou: “Eu, meu pai, meu psiquiatra, minha mãe, todo mundo acha. Mas é difícil. Nasci com uma tomada de 200 volts cravada em mim. Eu tenho medo de parar e aí sim surtar”.

Sobre o relacionamento com Bruna Gomes, o youtuber confessa que pretende casar, ter filhos e constituir uma família, mas também diz que tem medo e acha que este ainda não é o momento ideal. “Eu e a Bruna conversamos sobre isso. Mas ainda não. Filho é um amor incondicional que eu não faço ideia. Tenho medo desse amor, porque eu sei que vai ser o mais importante da minha vida. Tenho medo de só querer ficar com meu filho 24 horas por dia e não conseguir surfar tudo o que eu tenho para surfar. Nesse momento preciso estar focado, quando acalmar um pouco quero ser pai e construir uma família.”

Aos 30 anos, ele ainda pretende criar uma instituição de caridade para “alimentar a alma, não o bolso”. “Depois que eu frear, quero criar um instituto com alguma obra social”, concluiu.

Jornal Midiamax