MidiaMAIS

Festival da Rapadura de Furnas do Dionísio é declarado patrimônio histórico

Comunidade foi criada há 36 anos

Joaquim Padilha Publicado em 17/11/2016, às 10h30

None
rapaduraartesanal.jpg

Comunidade foi criada há 36 anos

O governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), sancionou nesta quinta-feira (17) um projeto de lei que declara o Festival da Rapadura da comunidade quilombola de Furnas do Dionísio como patrimônio histórico e cultural de Mato Grosso do Sul.

O festival é realizado anualmente pela comunidade no município de Jaraguari, a 46 quilômetros de Campo Grande. No evento, os quilombolas comercializam produtos artesanais e comidas típicas, além da famosa rapadura artesanal, que também foi tombada como patrimônio histórico e cultural.

A Comunidade Quilombola de Furnas do Diuonísio foi criada em 1980, por dois ex-escravos vindos de Minas Gerais, Dionísio Antônio Vieira e Luiza Joana de Jesus. Libertos da produção da cana-de-açúcar, os quilombolas tornaram utilizaram suas habilidades com o açúcar como forma de resistência, produzindo uma rapadura que hoje é comercializada nos supermercados de todo o Estado.

Sobre isto, falou na Assembleia Legislativa o deputado Amarildo Cruz (PT), proponente do projeto. “É importante ressaltar que o mesmo produto (cana de açúcar) que escravizou milhares de povos negros no passado, hoje é símbolo de resistência do referido quilombo, haja vista que sua descendência sobrevive há mais de um século da produção artesanal de rapaduras, açúcar mascavo, melado e farinha”, disse.

Na útima edição do Festival da Rapadura, em agosto, a festa recebeu a presença de diversos representantes do governo estadual. O projeto aprovado, além de reconhecer a importância do evento e da produção do quilombo, pretende gerar oportunidades à comunidade e ampliar seu potencial turístico.

(sob supervisão de Evelin Araujo)

Jornal Midiamax