MidiaMAIS

Engenheiro cultiva hortaliças em casa com ‘ajuda’ de peixes e quer difundir a técnica

Engenheiro eletricista de Campo Grande desenvolve 'aquaponia'

Daiane Libero Publicado em 06/04/2016, às 14h17

None
1149eb5a-68d0-4f1c-91fd-8c51ceebb68a.jpg

Engenheiro eletricista de Campo Grande desenvolve 'aquaponia'

Movido pela simples curiosidade ao decidir ter uma horta orgânica em casa, o engenheiro eletricista Leandro Ramos Laurete começou a pesquisar formas de plantio sustentável e acabou se deparando com a técnica da "Aquaponia". "Essa técnica é muito antiga e era praticada há muito tempo até pelos antigos egípcios. Aqui temos várias técnicas de plantio de hortaliças como a hidroponia, mas a aquaponia é muito desconhecida", explica ele. Segundo o engenheiro, essa técnica trabalha o cultivo de produtos de forma associada com a criação de peixes. Basta um tanque e um sistema de irrigação para dar início a uma horta de fácil manuseio. 

Leandro conta que junto a um amigo de Campo Grande começaram em casa em um pequeno espaço. "Na minha casa tenho uma caixa d'água de 50 litros, tenho várias carpas, a água do tanque circula em uma mesa de plantio onde tenho tomate, cebolinha, hortelã e muitas outras coisas. Os peixes se beneficiam da água e a água do peixe", informa. Segundo ele, os peixes poderiam ser comestíveis como tilápias, por exemplo. Ele disse ter descoberto uma paixão ao poder consumir produtos completamente isentos de agrotóxicos e feitos em casa. "Não há a necessidade de usar defensivos para pragas e o conjunto fica muito harmonioso", descreve. 

Outra vantagem da técnica de Aquaponia, segundo o engenheiro, é a sustentabilidade e economia de água. "Há uma redução do consumo de água perto de outras técnicas. Nesse processo de circulação da água acontece uma economia de 90% dessa água. Acredito que isso seja algo tanto social quanto sustentável. O quintal do meu amigo, por exemplo, é pequeno e ele cria tilápias e está cultivando pimenta, por exemplo", afirma. 

Imagem: Embrapa/Divulgação

A criação atual dos dois é voltada para consumo próprio, mas ele acredita que é possível fazer em uma escala maior sem problema. "Há muito tempo venho fazendo esse trabalho a título de curiosidade, trocando informações", relembra Leandro.

O importante, para ele agora, é divulgar a técnica para poder trazer palestrantes e técnicos de fora, para que mais pessoas possam ter hortas aquapônicas em casa. Tudo que ele aprendeu sobre a técnica foi em São Paulo, mas ele espera poder divulgar o conhecimento aqui. "Para que mais pessoas tenham essa oportunidade, é preciso que as pessoas saibam da existência da técnica", afirma. Leandro reitera que na Fanpage "Aquaponia MS", ele divulga alguns conhecimentos. Saiba mais clicando aqui.

Jornal Midiamax