MidiaMAIS

Com 30 anos de carreira, atriz repagina ateliê e inclui aula de teatro até para idosos

Além do teatro, Ramona Rodrigues introduz o circo na programação de atividades do Ateliê

Carol Alencar Publicado em 15/05/2015, às 09h10

None
_mg_8110.jpg

Além do teatro, Ramona Rodrigues introduz o circo na programação de atividades do Ateliê

Quando criança, o sonho de ser professora sempre foi mais forte. Logo depois, cogitou ser veterinária, mas o destino a levou para os palcos. De lá pra cá, 30 anos de história marcam a carreira da atriz, diretora de teatro e arte-educadora Ramona Rodrigues.

Hoje com 43 anos, ela afirma com precisão que para trabalhar no mundo artístico é necessário muito mais que sonho e que a pessoa tem que arregaçar as mangas e acordar cedo todo dia.

“Não tinha ideia que seria artista, não foi nada planejado; queria ser veterinária, mas como não tinha condições de fazer uma faculdade eu fui fazer teatro…primeiro eu paguei pra fazer teatro, naqueles cursos de modelo e teatro tudo junto, ali que veio o ‘despertar’ mas só depois que começaram a me pagar para fazer teatro”, conta Ramona.

Nessa memória, Ramona teria 13 para 14 anos. Muito antes de virem as leis de incentivo, de existirem os projetos culturais que patrocinam a arte, ela já estava na ativa, batalhando e contribuindo com a criação do teatro de Mato Grosso do Sul.

“Fazer teatro é ser igual a todo mundo, tem que acordar cedo e ir trabalhar… as pessoas pensam que os 45 minutos de um espetáculo são fáceis de fazer… estes minutinhos são só o resultado de muitas horas de estudo, preparo e montagem, isso que em Campo Grande não existe só ser ator, geralmente a gente faz tudo, costura os figurinos, faz a produção da montagem, atua…”, pontua.

Quando perguntamos se tem alguma receita para se tornar atriz, Ramona diz: “Não tem receita e nem uma cartilha, você estuda e se baseia em cima de outros e disso, você cria a sua linguagem e faz o seu estilo”. O momento emoção da vida de artista, ela diz que sente quando está atuando no palco.

Sobre a sobrevivência da arte em Mato Grosso do Sul, Ramona diz que é um processo longo e que ainda estamos engatinhando dentro desse processo. “Quando a gente sai daqui, e vê outras realidades a gente analisa que ainda estamos engatinhando com a vida artística, mas como sou daqui e amo estar aqui, quero aprender a andar aqui, junto com todos que vivem disso”.

Teatro para todos

Comemorando as três décadas de teatro, a diretora reinaugura neste mês, o Espaço Cultural Cia das Artes e junto, o Ateliê Ramona Rodrigues. Como sempre Ramona foi considerada arte-educadora para o universo infantil, agora ela amplia horizontes.

Além de oficinas para o seu público, o espaço oferecerá oficinas de teatro para adolescentes e jovens, adultos e até idosos. A arte circense também chega ao novo espaço para somar com as atividades oferecidas por ela.

Na programação das oficinas, os artistas Nicole Rodrigues, Júnior Oliveira, Tonny di Paula, Geraldo Saldanha e Pietro Lara juntam-se com Ramona para ministrarem as aulas.

“Resolvemos ampliar as oficinas já oferecidas pelo Ateliê, e unir os pontos, o mais novo, as crianças, usaremos a linguagem já aplicada, que é aquela que eles já gostam de brincar com fantasia e vamos estimular a criatividade, nos outros atos, que são os adolescentes, jovens e adultos vamos trabalhar a expressão corporal, oral, relaxamento e deixar que eles busquem a sua linguagem e identidade e com os idosos, vamos trabalhar o relaxamento, a aceitação do limite deles é isso”, explica.

Já sobre as aulas de circo Ramona diz que circo e teatro andam alinhados, pela interpretação e que no novo espaço pode integrar mais este universo.

As oficinas e inscrições acontecem no Ateliê que fica na Rua 14 de Julho, nº 1.431 – casa 3. Mais informações pelo telefone (67) 9903-3550.

Jornal Midiamax