MidiaMAIS

Arara pega carona em capacete de ciclista durante passeio no interior de MS

A arara permaneceu no capacete de ciclista por aproximadamente três quilômetros

Gerciane Alves Publicado em 27/04/2015, às 15h52

None
img-20150427-wa0099.jpg

A arara permaneceu no capacete de ciclista por aproximadamente três quilômetros

Um grupo de ciclistas contou com uma companhia pra lá de agradável durante um passeio neste domingo (26) em Piraputanga, a aproximadamente 113 quilômetros de Campo Grande. Uma arara-canindé acompanhou o grupo de 25 ciclistas por vários quilômetros e até pousou no capacete de um deles.

A advogada e corretora de imóveis, Simone Leal foi quem deu carona para arara durante o passeio. Ela disse que em determinado momento do percurso encontraram a arara em uma árvore, que voou assim que avistou o grupo. Pouco tempo depois a ave apareceu dando voos rasantes entre os ciclistas.

“Ela passava muito perto de nós chegou a pousar nas costas de um colega, depois veio para o meu braço até que resolveu ficar na minha cabeça”, disse Simone. A advogada disse que as bicadas da ave abriram até um buraco em seu capacete.

Segundo Simone, de acordo com informações de moradores da região a presença dócil da arara-canindé é comum na região. “O pessoal de um bar me disse que essa arara acompanha todos os dias uma criança até a escola. Ela vai no guidão da bicicleta. Acho que por causa das bicicletas ela acabou interagindo com a gente”.

Apesar de dócil Simone diz acreditar que a ave não seja domesticada. “Diferente das aves das pousadas de Bonito, essa não parece ter o voo restrito. Foi só aparecer um bando de araras no céu que ela voou livre pra encontrar as outras”.

No percurso do passeio de 35 quilômetros, a arara permaneceu no capacete de Simone por aproximadamente três quilômetros o que acabou gerando certo desconforto no pescoço da advogada por causa do peso da ave.

Esta não foi a primeira vez que os ciclistas de depararam com um animal silvestre no meio do percurso. Simone disse que em um passeio realizado no dia 8 de março deste ano um participante quase passa por cima de uma jiboia que estava no meio da trilha. “Por sorte ele conseguiu desviar e nada aconteceu nem com ele, nem com a cobra”.

O passeio batizado de Terras Altas, em referência à subida enfrentada pelos ciclistas até o ponto mais alto do percurso, é realizado por amadores e amantes do ciclismo. Segundo a advogada, qualquer pessoa pode participar do grupo formado por ciclistas de Campo Grande e Aquidauana.

Jornal Midiamax