Geral

Sindicato acredita que vistoria não visa segurança, mas sim aumento de receita

Para presidente do Setlog, população de MS não suporta mais cobranças

Midiamax Publicado em 04/03/2015, às 22h33 - Atualizado em 26/04/2018, às 17h52

None

Para presidente do Setlog, população de MS não suporta mais cobranças

A vistoria veicular, na análise do presidente do Setlog-MS (Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística), Cláudio Cavol, não visa a segurança dos veículos, mas sim aumento da receita do Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito). 

“Não concordamos com isto. A economia do Estado não suporta mais esta taxa.Vemos que isto não visa a segurança e sim recolhimento e receita”, diz Claudio.

De acordo com o sindicalista, a categoria se reuniu com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), no intuito de eliminar a cobrança. Porém, até o momento, o Executivo não se posicionou a respeito.

O argumento do Setlog é fazer com que o Executivo compreenda que, por exemplo, no caso de transporte de caminhões, existem outros custos, como o do óleo diesel.

“Nossa economia é basicamente agrária e a população não tem mais dinheiro. Vamos lutar até o fim para conseguir eliminar a cobrança da vistoria”, argumenta.

Veículos com mais de cinco anos de uso devem passar por uma vistoria anual, imposta em dezembro de 2014, pelo ex-governador André Puccinelli. No entanto, o procedimento custa R$ 103,45, se feito no Detran-MS e R$ 120 nas empresas credenciadas ao órgão. Segundo o departamento, o intuito da vistoria é tirar de circulação veículos em má condição de uso e evitar acidente.

Jornal Midiamax