Geral

Processos acumulam por causa de greve do Ministério Público Federal

Com greve apenas 5% dos processos estão sendo movimentados 

Thatiana Melo Publicado em 24/02/2015, às 15h05

None
unnamed.jpg

Com greve apenas 5% dos processos estão sendo movimentados 

Em greve desde o dia 9 de Fevereiro, funcionários do MPF (Ministério Público Federal) estão em Brasília nesta terça-feira (24), atrás de apoio de deputados federais e senadores para a aprovação do projeto da Lei Orçamentária Anual, que dispõe sobre reposição salarial dos servidores do MPF e MPT.

Com a paralisação os processos criminais, civis e do trabalho, bem como as fiscalizações de trabalho escravo estão paradas e acumulando-se nos órgãos. “De todo processo recebido, apenas 5% está sendo movimentado, e só 30% estão trabalhando”, fala um dos grevistas, Marcelo Cristovan.

Com mais de 200 unidades presente em todo território brasileiro, 135 unidades estão paralisadas. Em Mato Grosso do Sul apenas as unidades de Coxim e Ponta Porã continuam funcionando.

“No ano passado, o projeto de lei para o aumento dos procuradores foi votado e passou no Congresso ficando para trás, a  segunda parte do projeto de lei, que continha a reposição salarial dos servidores. Tentamos falar com o Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, que não nos recebeu”, fala Marcelo.

O projeto da Lei Orçamentária Anual, que contém a reposição salarial dos servidores deve ser votado até esta quarta-feira (25), e de acordo com os grevistas não havendo a aprovação a greve vai continuar.

Jornal Midiamax