Geral

Notificações de chikungunya chegam a 23 no ano em Mato Grosso do Sul

Nesta semana foram 3 notificações de Campo Grande

Midiamax Publicado em 11/02/2015, às 16h58

None
wmx-474x200x4-54416e4e27d08836b21122de8a15f0fb726a7a6cbdd5e.jpg

Nesta semana foram 3 notificações de Campo Grande

As notificações de possíveis casos de infectados pela febre chikungunya chegaram a  23 em Mato Grosso do Sul no ano. A informação foi revelada nesta quarta-feira (11), em boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde.

De quarta-feira passada (4) para esta, foram registradas mais três notificações na Capital, chegando a 14 em 2015, e uma em Brasilândia e outra em Costa Rica. Além delas, figuram na lista Angélica, Corumbá, Dourados, Maracaju, Porto Murtinho, Rio Verde e São Gabriel do Oeste, cada município com um caso.

Os 23 casos aguardam resultado de exames para a confirmação da doença. Nenhum  foi descartado até o momento.

No ano passado foram 70 notificações, com apenas um caso confirmado, na Capital. 12 já foram descartados e 57 (dentre eles 34 de Campo Grande) ainda aguardam resultados de exames.

Sintomas

Febre de início súbito maior que 38,5°C e dor intensa nas articulações de inicio agudo, acompanhada ou não de edemas (inchaço), não explicado por outras condições, sendo residente ou tendo visitado áreas onde estejam ocorrendo casos suspeitos até duas semanas antes do início dos sintomas ou que tenha vínculo com algum caso confirmado.

Recomendações

Manter repouso; tomar muito líquido: água, suco de frutas, soro caseiro, chás, água de coco e sopas; manter amamentação; evitar a exposição à mosquitos; e procurar uma unidade de saúde.        

Como prevenir?

Descarte todos os objetos não utilizados que estiverem expostos às chuvas e podem acumular água: pneus, latas, garrafas, baldes, etc;tampe os tonéis e depósitos de água e troque diariamente a água dos bebedouros dos animais; coloque terra ou areia nos vasinhos de plantas, ou lugares que acumulem água;coloque o lixo em sacos plásticos, e mantenha a lixeira completamente tampada; tampe bem os recipientes que utiliza para acondicionar água: garrafões, jarras, taques, etc;troque a água das plantas a cada três dias; e evite deslocamento para áreas onde há transmissão instalada do vírus.

Jornal Midiamax