Geral

Ucranianos transformam ruas de Kiev em um santuário para os mortos

Milhares de ucranianos foram à Praça da Independência, de Kiev, neste domingo, com flores e velas em uma peregrinação espontânea para homenagear os manifestantes que morreram pela saída do presidente Viktor Yanukovich. Acompanhados pelas barricadas por membros com capacete de uma força de “auto-defesa”, as famílias escorreram pela rua Institutska, cena, na semana passada, da […]

Arquivo Publicado em 23/02/2014, às 20h07

None

Milhares de ucranianos foram à Praça da Independência, de Kiev, neste domingo, com flores e velas em uma peregrinação espontânea para homenagear os manifestantes que morreram pela saída do presidente Viktor Yanukovich.

Acompanhados pelas barricadas por membros com capacete de uma força de “auto-defesa”, as famílias escorreram pela rua Institutska, cena, na semana passada, da pior violência em 22 anos de independência da Ucrânia.

Transformaram as ruas, onde dúzias de pessoas foram mortas pela polícia, que usou atiradores de elite e metralhadoras Kalashnikovs, em um santuário improvisado, acendendo velas e colocando flores nos paralelepípedos e tijolos que os manifestantes estocaram para usar como armas contra a polícia.

Flores foram colocadas nos escudos de membros da auto-defesa, um grupo extremista de protestantes, que ganhou força isoladamente, organizou unidades e não mostra sinais de desarmamento.

Yanukovich foi deposto, no último sábado, abandonou o seu escritório em Kiev e a sua residência e viajou para o leste da Ucrânia, onde nasceu, após o parlamento, cheio de desertores do seu Partido das Regiões, retirar os seus poderes.

Foi o clímax de três meses de protestos na Praça da Independência, conhecida como Maidan, contra a mudança de pensamento do presidente, que preferia se aproximar de Moscou, antigo mestre soviético, a reforçar as ligações com a Europa.

Mais de 80 pessoas foram mortas em confrontos armados com a polícia, rapidamente tornando-se mártires da causa.

Multidões desceram as ruas que levam à Praça da Independência silenciosamente, como se entrassem em um campo de batalha. Alguns gritaram “Glória para a Ucrânia!” e “Glória para os heróis!”.

Homens com armaduras improvisadas, segurando tacos de baseball e escudos, guardaram os corredores do poder da Ucrânia – o parlamento, o centro da administração presidencial e o banco central. Alguns ostentaram totens de batalhas, pele de animais penduradas nos seus ombros ou capacetes.

“Meus parentes não morreram, mas eu me sinto em dívida com os que morreram, e quis prestar minhas homenagens”, disse Lena Griyevic, 52 anos, residente de Kiev, segurando muitos cravos rosas.

Sob a Presidência de Yanukovich, “eu senti que havíamos voltado aos anos 1990, com todos esses bandidos. Estou encantada pelos nossos heróis. Nunca acreditei que isso pudesse acontecer”.

Jornal Midiamax