Geral

Ucrânia prepara retaliação militar a ataques de grupos pró-Rússia no leste do país

O presidente ucraniano interinom Oleksandr Turchynov, anunciou uma grande “operação militar anti-terror” será lançada depois que edifícios do governo foram tomados por grupos pró-Rússia em diversas cidades no leste do país nos últimos dias. Em um discurso em cadeia nacional, Turchynov disse que não permitirá que a Rússia repita a situação da Crimeia, república autônoma […]

Arquivo Publicado em 13/04/2014, às 18h15

None

O presidente ucraniano interinom Oleksandr Turchynov, anunciou uma grande “operação militar anti-terror” será lançada depois que edifícios do governo foram tomados por grupos pró-Rússia em diversas cidades no leste do país nos últimos dias.


Em um discurso em cadeia nacional, Turchynov disse que não permitirá que a Rússia repita a situação da Crimeia, república autônoma que foi anexada pela Federação Russa no mês passado, se repita.


“O agressor continua a incitar a desordem no leste do país”, disse Turchynov.


Ele ainda afirmou que não punirá os membros de grupos pró-Rússia que entregarem suas armas até a manhã de segunda-feira.


Hoje mais cedo, o secretáro-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, já havia expressado preocupação com a crise nesta região da Ucrânia e traçou paralelos entre os novos ataques e o ocorrido na Crimeia.


Ele disse que “o ressurgimento de homens com armas russas e um uniforme idêntico sem insígnias,que foram usados por tropas russas durante a tomada ilegal da península, é algo grave”.


Envolvimento russo


Uma fonte da BBC na Otan afirmou que o órgão acredita que forças russas estiveram envolvidas nas invasões de edifícios do governo.


“O aviso de Rasmussen é claro e direto ao ponto”, diz Johnathan Marcus, correspondente diplomático da BBC.


“O medo é que o governo russo esteja usando a falta de clareza nestes atos para ganhar tempo. Ao mesmo tempo, ameaça que qualquer resposta da Ucrânia só tornará a situação pior.”


Coordenado e profissional


A embaixadora americana na ONU, Sarah Power, também disse acreditar no “envolvimento de Moscou” nestes recentes ataques.


“É algo coordenado e profissional. Não há nada de amador nisso”, disse Power em entrevista à ABC News.


O Kremlin negou sua participação.


O leste da Ucrânia tem uma grande população de origem russa e vive uma série de protestos desde que o então presidente Viktor Yanukovych foi deposto, em fevereiro.

Jornal Midiamax