Quase mil trabalhadores da empresa Telemont, terceirizada da empresa OI que presta serviço de comunicação à Prefeitura de Campo Grande, Governo do Estado e hospitais de Campo Grande, cruzarão os braços nesta quinta-feira (22), e sexta-feira (23). Com isso o serviço de atendimento de suporte ficará prejudicado.

Os funcionários se reunirão na noite desta quarta-feira (21), na sede da Sintell-(Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Telecomunicação de Mato Grosso do Sul). Os trabalhadores que são quase dois mil na Capital e interior, pedem reajuste salarial, do vale alimentação e no aluguel de seus veículos particulares utilizados na prestação de serviço.

De acordo com um técnico em ADSL, que preferiu não se identificar, os órgãos públicos atendidos pela prestação de serviço inclui todos os postos de Saúde de Campo Grande, Santa Casa e Hospital Universitário.

“Há três anos, a OI vem dizendo que irá assumir o serviço feito pela Telemont, se alguém faz alguma mobilização já é mandado embora. Agora nós vamos nos reunir, e semana que vem vamos entrar em greve, ou eles concordam com o que pedimos ou rompe o contrato logo com nós”, disse o técnico.

As reivindicações são de aumento de 13%, acréscimo de R$ 100 no aluguel do carro que hoje é de R$ 840 por mês, além de reajuste no vale-refeição e maior regularidade dos abastecimentos dos veículos dos trabalhadores utilizados na prestação de serviço.

Hoje um técnico de dados recebe R$ 1.200, e um técnico de ADSL e cabista ganham R$ 800. A reportagem tentou, mas não conseguiu contato com a assessoria de comunicação da empresa Oi. Matéria atualizada às 21:23.