Geral

Sesau inicia 2ª feira nova etapa de vacina contra HPV que entra no calendário básico

A segunda etapa da vacinação contra o HPV (papilomavírus humano) começa na próxima segunda-feira (1º) em Campo Grande e em todo o Brasil. A vacina é destinada às 19.625 meninas entre 11 e 13 anos, incluindo as que já tomaram a primeira dose e também para as que ainda não se vacinaram. As doses já […]

Arquivo Publicado em 30/08/2014, às 18h49

None

A segunda etapa da vacinação contra o HPV (papilomavírus humano) começa na próxima segunda-feira (1º) em Campo Grande e em todo o Brasil. A vacina é destinada às 19.625 meninas entre 11 e 13 anos, incluindo as que já tomaram a primeira dose e também para as que ainda não se vacinaram. As doses já foram encaminhadas às 62 Unidades Básicas de Saúde da Capital, que funcionam das 7 hors às 11 horas e das 13 horas às 17 horas.

A meta do Ministério da Saúde é garantir uma cobertura de 80% entre a população alvo. A inclusão do imunizante no programa nacional iniciou neste ano. Em 2015, a vacina está prevista para incluir adolescentes de 9 a 11 anos. Para população indígena, a faixa etária para vacinação é, desde já, nessa faixa de idade (entre nove e 13 anos).

A primeira dose da vacina atingiu 76% dessa população, representando 14.988 adolescentes. Essa etapa que também foi realizada pela Secretaria Municipal de Saúde Pública de Campo Grande, levou a vacinação até as escolas públicas e particulares, no período de março a abril deste ano.

“A segunda dose, aplicada seis meses depois da primeira, é essencial para garantir a proteção contra o HPV, vírus que está associado com o aparecimento do câncer de colo de útero”, explica a gerente técnica de Imunização da Sesau, Cássia Tiemi Kanaokka. Ela ressalta ainda que a terceira dose da vacina, para reforço, deve ser aplicada cinco anos após a aplicação da primeira dose.

A vacina protege contra quatro tipos de vírus. Dois desses tipos são responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer de colo de útero, que é o terceiro mais frequente na população feminina, atrás do câncer de mama e colorretal. Além disso, é a terceira causa de morte de mulheres por câncer. Uma terceira dose da vacina, para reforço, deve ser dada 5 anos depois da aplicação da primeira dose.

Jornal Midiamax