Geral

Seminário da PM contra a violência à mulher reúne autoridades e entrega homenagens

Está sendo realizado na manhã de hoje (17), no auditório do Crea-MS, o 5º Seminário Com as Mulheres a Segurança Pública é mais Humana, com o tema “Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, pelo fim da violência contra a mulher”. O evento foi realizado pela Polícia Militar com apoio da Secretaria do Estado de […]

Arquivo Publicado em 17/03/2014, às 14h06

None
1676299999.jpg

Está sendo realizado na manhã de hoje (17), no auditório do Crea-MS, o 5º Seminário Com as Mulheres a Segurança Pública é mais Humana, com o tema “Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, pelo fim da violência contra a mulher”. O evento foi realizado pela Polícia Militar com apoio da Secretaria do Estado de Justiça e Segurança Pública e do governo do Estado.

Estiveram presentes na solenidade autoridades como o coronel David, em sua despedida do comando da Polícia Militar, seu substituto Carlos de Santana Carneio, o secretário estadual de segurança pública Dr. Wantuir Jacini, a vice-governadora Simone Tebet (PMDB), a subsecretaria da mulher Tai Loschi.

Ana Lara Cargo, promotora de Justiça, e a juíza Simone Nakamatsu, ambas da 1ª Vara de Violência Doméstica de Campo Grande, além da coordenadora de Políticas para a Promoção da Igualdade Racial de Mato Grosso do Sul, professora doutora Raimunda Luzia de Brito, também compuseram a mesa.

Em sua fala, o coronel David pediu pelo fim da naturalização da violência contra a mulher pelas vítimas, agressor e sociedade. A professora e doutora Raimunda fez lobby por mais mulheres no poder, chegando a pedir uma mulher no comando da PM-MS. Simone Tebet frisou a importância da força da mulher na segurança pública de Mato Grosso do Sul.

Homenagens

Com mais de duzentos presentes, a solenidade homenageou com o prêmio tenente-coronel Ana Neize Baltha, mulheres policiais militares e da sociedade civil que tenham demonstrado dedicação e trabalho em prol de uma segurança pública mais democrática e humanitária.

As policiais premiadas foram a major Itamara Nogueira, subcomandante do Batalhão de Polícia Militar de Trânsito; a 1º sargento Gisleia  Rivarola da Agência Central de Inteligência; a 3º sargento Ariane Contini do 15º Batalhão de Polícia Militar Ambiental e a soldado Karissa Scaramal do 8º Batalhão da PM.

Também receberam a homenagem a diretora da Rádio Caçula de Três Lagoas, Antônia Aparecida Campos; a gerente de Doenças e Agravos Não Transmissíveis da Secretaria de Estado de Saúde, Susana Martins; a presidente da Comissão de Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da OAB/MS, Tatiana Ujacow; a chefe de gabinete do governo do Estado, Mara Bertagnolli Gonçalves; e a presidente e vice da Associação Mães de Fronteira, Lilian Silvestrini de Araújo e Ângela Batista Fernandes.

Mestre e doutora em direito constitucional e autora do livro “Direito ao pão nosso”, Tatiana recebeu o prêmio por ser presidente da Comissão de Combate à Violência contra a Mulher, da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil de Mato Grosso do Sul). A advogada ressaltou a importância de iniciativas como o seminário.

“É fundamental para esclarecer a importância de a mulher quebrar o silêncio, de ela entender que existe lei que a ampara e que o Estado deve protegê-la. Esta junção de esforços das instituições reforça que temos que prevenir a violência contra a mulher, denunciar, ter delegacias especializadas”, declarou.

Tatiana citou o trabalho da OAB/MS de demonstrar ao agressor que a lei será cumprida. “O agressor tem que estar ciente de que se cometer violência contra a mulher pode pegar até trinta anos de prisão. A lei Maria da Penha veio para coibir e punir o agressor, e para proteger a mulher”, finalizou.

Plano de Operação Padrão

Foi lançado durante a cerimônia o Plano de Operação Padrão (POP) da PM para o atendimento da Mulher Vítima de Violência, que reúne procedimentos e condutas adequadas a serem realizadas pelos policiais militares em ocorrências de violência doméstica e familiar.

Palestras

Ana Lara Camargo, com o tema “Uma vida sem violência é o que queremos”. Depois o assunto é “Igualdade de gênero, uma luta possível”, da mestre em educação Rosana Monti Henkin realizam as duas palestras do evento.

Jornal Midiamax