Geral

Seca prolongada causa grave crise alimentar no Haiti, adverte ONU

A Organização das Nações Unidas e o Haiti expressaram hoje (8) preocupação com a seca prolongada que afeta grande parte do país e que provocou receio sobre uma eventual crise alimentar para a qual o governo não está preparado. De acordo com a imprensa local, as autoridades estimam que pelo menos 600 mil pessoas estão […]

Arquivo Publicado em 08/04/2014, às 10h09

None
189603328.jpg

A Organização das Nações Unidas e o Haiti expressaram hoje (8) preocupação com a seca prolongada que afeta grande parte do país e que provocou receio sobre uma eventual crise alimentar para a qual o governo não está preparado.


De acordo com a imprensa local, as autoridades estimam que pelo menos 600 mil pessoas estão mal nutridas em todo o país, em particular no Noroeste, onde 43% dos lares são afetados por insegurança alimentar.


“Apelamos para uma maior contribuição dos parceiros do Haiti, uma resposta duradoura à situação no Norte, no quadro da luta alimentar que continua a afetar 600 mil pessoas no país”, disse o assessor do primeiro-ministro, Hébert Docteur, citado pela imprensa local.


O governo haitiano solicitou o auxílio do Programa Mundial de Alimentos (PMA) que, na semana passada, distribuiu 1.500 toneladas de produtos alimentícios a 164 mil pessoas em situação vulnerável, principalmente mulheres e crianças.


O coordenador residente humanitário da ONU e responsável adjunto da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti, (Minustah), Peter de Clercq, considerou a situação “preocupante”. Ele disse que é preciso assistência alimentar e nutricional urgente, além de um programa sustentável a longo prazo, para enfrentar a situação com êxito.


O Haiti é considerado o país mais pobre do Hemisfério Ocidental. A situação foi agravada depois do terremoto de janeiro de 2010, que atingiu Porto Princípe e outras áreas do país e causou 300 mil mortes, deixou cerca de 250 mil feridos e afetou 1,5 milhão de pessoas.

Jornal Midiamax