Geral

Santos terá que devolver R$ 42 milhões ao fundo por contratação de Damião

O presidente do Santos, Odílio Rodrigues, confirmou que o clube terá que devolver os R$ 42 milhões investidos pelo fundo maltês Doyen Sports na contratação do atacante Leandro Damião, ex-Internacional. A cúpula santista mantém sigilo em relação à parceira com o grupo representado pelo empresário Renato Duprat no Brasil, porém o fundo revelou em nota […]

Arquivo Publicado em 09/01/2014, às 14h03

None

O presidente do Santos, Odílio Rodrigues, confirmou que o clube terá que devolver os R$ 42 milhões investidos pelo fundo maltês Doyen Sports na contratação do atacante Leandro Damião, ex-Internacional. A cúpula santista mantém sigilo em relação à parceira com o grupo representado pelo empresário Renato Duprat no Brasil, porém o fundo revelou em nota oficial em seu site que fez apenas um financiamento ao clube paulista.


Segundo o presidente santista, a Doyen Sports só lucrará com a correção monetária do montante que será devolvido no futuro. O clube tem cinco anos, período do contrato de Leandro Damião na Vila Belmiro, para quitar a dívida com o fundo de investimentos.


“Na Europa esse fundo é importante na transação dos jogadores por conta do Fair Play financeiro, que chegará ao Brasil. Querem que os clubes comprem entre clubes e que os atletas não pertençam a terceiros. O Doyen não pode comprar e ter participação de jogador. Definimos quem queremos, o Santos negocia com o clube o valor do jogador, faz o contrato com a Doyen, que dá esse dinheiro ao Santos”, afirmou Odílio Rodrigues.


“Os direitos federativos são do Santos. O Doyen não tem participação e temos que um dia devolver esse dinheiro. O contrato é de cinco anos. Se vendermos o jogador ou se quisermos permanecer com ele no final, pagamos integralmente e com o valor corrigido. Se vendermos por um valor superior dentro do período, o Santos tem a participação na mais-valia”, completou.


Em nota oficial, o fundo maltês fez questão de explicar que não é dono dos direitos federativos de Leandro Damião e também não detém parte dos direitos econômicos do atleta.


“Agora que o processo está concluído entre a Doyen e o Santos, a Doyen Sports pode confirmar o seu envolvimento na maior transferência, até esta data, entre clubes brasileiros. Ao contrário de alguns relatos, a Doyen não tem especificamente nenhuma porcentagem (third party ownership) de Leandro Damião ou de qualquer outro jogador de futebol. Acordo sim uma fonte transparente de financiamento para o Santos poder suportar o valor da transferência, estando acordado os termos para a devolução ao longo de um determinado período”, esclarece a nota.


O presidente do Santos, Odílio Rodrigues, também mandou um recado ao presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, que vê problemas para o clube do litoral paulista no futuro por causa da parceria com a Doyen Sports. O dirigente santista também ignorou o fato de o Corinthians recusar a parceria com o fundo maltês.


“Eu jamais daria palpite na forma de atuação do São Paulo ou do Corinthians. Quero ser ético. Temos um contrato com o Doyen e achamos que ele atende as nossas expectativas. O departamento jurídico aprovou e o Comitê Gestor também. Não temos preocupações”, disse o dirigente santista.


Leandro Damião assinou contrato de cinco temporadas com o Santos. Os R$ 42 milhões investidos fazem do centroavante a contratação mais cara da história do clube. O jogador se apresentou ao técnico Oswaldo de Oliveira na manhã desta quarta-feira, no CT Rei Pelé, mas foi liberado em seguida para realizar exames cardiológicos em São Paulo. Nesta quinta-feira, o centroavante será apresentado oficialmente pelo clube em antigo deposito de café no centro da cidade de Santos.

Jornal Midiamax