Geral

Professores japoneses recebem instruções nacionalistas sobre ilhas em disputa

O ministério japonês da Educação anunciou nesta terça-feira (28) que pedirá aos professores que ensinem aos alunos o caráter indiscutivelmente nipônico das ilhas em disputa, o que provocou protestos imediatos de Seul e Pequim. “Em matéria de educação é natural que um Estado ensine a suas crianças sobre as partes integrantes de seu próprio território”, […]

Arquivo Publicado em 28/01/2014, às 12h39

None

O ministério japonês da Educação anunciou nesta terça-feira (28) que pedirá aos professores que ensinem aos alunos o caráter indiscutivelmente nipônico das ilhas em disputa, o que provocou protestos imediatos de Seul e Pequim.


“Em matéria de educação é natural que um Estado ensine a suas crianças sobre as partes integrantes de seu próprio território”, afirmou o ministro da Educação, Hakubun Shimomura.


Um funcionário do ministério explicou à AFP que os manuais dos professores do ensino secundário apresentarão a partir de agora como “parte integrante do território japonês” as ilhas Senkaku, no mar da China Oriental, administradas pelo Japão mas reivindicadas pela China com o nome de Diayou.


As relações entre Tóquio e Pequim são tensas em consequência das disputas a respeito do arquipélago desabitado, sobretudo depois que o Japão nacionalizou três das cinco ilhas em setembro de 2012.


“Estamos muito preocupados e fazemos uma advertência solene à parte japonesa”, reagiu a porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores, Hua Chunying.


“Destacamos que as Diaoyu e as ilhas que dependem delas são territórios inerentes a China desde tempos antigos”, completou.


Também serão apresentados como como japoneses alguns penhascos do mar do Japão controlados pela Coreia do Sul, que os denomina Dokdo, mas reivindicados por Tóquio com o nome de ilhas Takeshima.


Os novos manuais, que entrarão em circulação em abril de 2016, destacam que as pequenas ilhas estão ocupadas “ilegalmente” pela Coreia do Sul, segundo uma fonte do ministério.


A Coreia do Sul reagiu à notícia com a convocação do embaixador japonês em Seul nesta terça-feira para apresentar uma queixa formal pelo conteúdo dos manuais.


“Convocamos o embaixador para apresentar um protesto forte (…) depois que o ministério japonês da Educação incluiu maliciosamente alegações sem fundamentos nos manuais de ensino”, disse o vice-ministro sul-coreano das Relações Exteriores, Kim Kyou-Hyun.


Em um comunicado, o ministério sul-coreano ameaçou com “contra-medidas”, sem especificar quais, caso não sejam retiradas imediatamente as indicações e acusou o Japão de “nostalgia pelo imperialismo passado”.

Jornal Midiamax