Geral

Produtores rurais reclamam de ‘lentidão’ de governo e Aécio promete melhorias

Em reunião com os produtores rurais em Mato Grosso do Sul nesta sexta-feira (6), o pré-candidato à presidência pelo PSDB, Aécio Neves, discutiu demandas para o desenvolvimento do Estado e prometeu melhorias dos indicadores sociais. “O país teve o terceiro menor crescimento no período do governo do PT. Só foi maior que na época do […]

Arquivo Publicado em 06/06/2014, às 18h06

None
318239731.jpg

Em reunião com os produtores rurais em Mato Grosso do Sul nesta sexta-feira (6), o pré-candidato à presidência pelo PSDB, Aécio Neves, discutiu demandas para o desenvolvimento do Estado e prometeu melhorias dos indicadores sociais.

“O país teve o terceiro menor crescimento no período do governo do PT. Só foi maior que na época do Fernando Collor e do Floriano Peixoto”, alfinetou o pré-candidato.

Os produtores aproveitaram para pedir atenção ao agronegócio. “O governo parece que anda de charrete. Estamos cansados de reuniões e protocolos. Em dois anos 1.800 municípios do país surgiram devido ao agronegócio e por isso queremos ouvir propostas sobre a Política Agrícola, Direito à propriedade, resolução dos direitos agrários”, disse um dos diretores da Federação da Agricultura e Pecuária de MS, Almir Dal Pierre.

Aécio prometeu melhorias para o setor e deu exemplo do sucroalcooleiro, que teve 40 usinas fechadas nos últimos anos. “Foi um crime o que aconteceu. Mato Grosso do Sul emprega cerca de 100 mil pessoas neste setor. Nós vamos resgatar as empresas brasileiras das mãos de um partido que as tem usado para fazer negócio. Nossa prioridade será fortalecer o agronegócio”, argumentou o pré-candidato.

Representando o setor industrial e do Comércio, Alfredo Zanetti Junior disse que o governo também precisa priorizar estes setores. “O Comércio representa 62,5% da arrecadação do Estado e tem cerca de 90 mil empresas. Destas, 47% são de pequeno e médio porte e isso chega a 74 mil empregos. E o que ganhamos com isso? Ganhamos instruções do Governo para burlar o fisco e ser desonesto”, alegou Zanetti.

Para tanto, Aécio prometeu melhorar os serviços e também uma melhor gestão dos repasses. “Hoje 27% da arrecadação dos municípios e estados fica para a Saúde e apenas 13% dos recursos é da União. Apesar disto, o governo federal se apropria de 60% de tudo o que é arrecadado. Vamos fazer o que fiz em Minas Gerais. Criar uma gestão pró-ativa, em que 100% dos servidores tem metas e ganham produtividade”, explicou Aécio.

Jornal Midiamax