Geral

Primeira parte das obras do Complexo do Bálsamo fica pronta até dezembro, diz Semy

Dois anos depois do lançamento, as obras do Complexo Bálsamo começam a ficar prontas. A primeira parte – do Bairro Itamaracá até a Avenida Gury Marques – deve ser entregue até dezembro deste ano. O restante ficará para o fim de 2015. Ao todo, a obra terá uma extensão de 7,5 quilômetros e vai custar […]

Arquivo Publicado em 07/06/2014, às 15h27

None
1612083817.jpg

Dois anos depois do lançamento, as obras do Complexo Bálsamo começam a ficar prontas. A primeira parte – do Bairro Itamaracá até a Avenida Gury Marques – deve ser entregue até dezembro deste ano. O restante ficará para o fim de 2015.


Ao todo, a obra terá uma extensão de 7,5 quilômetros e vai custar R$ 33 milhões. Além disso, a Prefeitura de Campo Grande ainda estima gastar mais R$ 5 milhões com a desapropriação de 80 famílias em torno das obras.


Segundo o secretário Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação (Seintrha), Semy Ferraz, a primeira parte das obras do complexo que fazem parte do PAC II (Programa de Aceleramento do Crescimento) serão entregues com no ano passado.


“Esta primeira parte será entregue até dezembro. Já a outra parte vai precisar de mais um ano”, disse o secretário.


Além das obras, a Prefeitura terá de desapropriar  80 famílias que estão na Rua Salomão Abdalla – depois de pronta as obras vai virar Avenida Rita Vieira -, no Jardim Itamaracá, e no Bairro Jardim Monumento.


“As negociações já começaram. Algumas são amigáveis, mas outras estão na Justiça e daí o depósito tem de ser em juízo”, explicou Semy. Estes moradores devem ser deslocados para 482 casas do Residencial José Macksoud, no Bairro Moreninhas IV. A previsão da entrega é para a primeira quinzena de agosto deste ano.


Visita


O prefeito Gilmar Olarte (PP) visitou as obras do complexo e do residencial na manhã deste sábado (7). No conjunto habitacional ele até brincou sobre a área comercial que poder ser destinada para construção de uma igreja.


“Aqui tem espaço para vender para igrejas que quiserem se instalar. Qualquer uma independente da religião poderá ser instalar. Não só igreja, mas mercado para que as pessoas tenham tudo por perto”, afirmou o prefeito.




Jornal Midiamax