População reclama e catadores limpam parque por conta própria depois de show

Voluntários e catadores faziam a limpeza do gramado e do lago do Parque das Nações Indígenas na manhã desta segunda-feira (25)
| 25/08/2014
- 17:50
População reclama e catadores limpam parque por conta própria depois de show

Voluntários e catadores faziam a limpeza do gramado e do lago do Parque das Nações Indígenas na manhã desta segunda-feira (25)

O evento, realizado pela Prefeitura Municipal de Campo Grande, em parceria com a Fundac (Fundação Municipal de Cultura) reuniu mais de 50 mil pessoas no Parque das Nações Indígenas na noite de domingo. O evento contou com a participação de várias duplas sertanejas, além de grupo de pagode e até um cantor de funk.

Populares que fazem caminhadas e corridas no parque ficaram incomodados com a quantidade de lixo que estava no chão. O casal Lery Carvalho e Rocheli Cavalcante de Carvalho afirmaram que a responsabilidade é tanto da Prefeitura quanto da população. “As latas de lixo são muito pequenas e de difícil acesso”, diz Lery.

O pedido é que uma equipe estivesse de prontidão para fazer a limpeza do parque. “Tinha que ter pessoas para limparem depois do show e deixar o parque limpo para o outro dia de manhã”, afirma o representante comercial. Apesar disso, a população também é apontada como culpada, “isso não tira a responsabilidade das pessoas. Nem sabemos o que esperar da população que não sabe se comportar num espaço coletivo”, diz a engenheira civil Rocheli.

Já outras pessoas, como o funcionário público Heraldo, de 53 anos, não se importam tanto. “Eu venho às vezes ao parque e vejo que eles limpam sempre. Acho normal que esteja sujo hoje, depois do show, desde que eles venham limpar depois”, diz.

Na terça-feira (26), outro show ocorrerá no parque, desta vez, do cantor gospel Thalles Roberto. O evento faz parte da “Marcha para Jesus”, em que a população marchará da Praça do Rádio até o parque. A gerente financeira Lindalva Rosely, diz que a Prefeitura deveria pedir, no palco, que a população se preocupasse em jogar o próprio lixo nas lixeiras. “Vou participar amanhã do show do Thalles e sei que o pastor sempre pede para as pessoas jogarem o lixo no local certo”, afirma Lindalva.

A gerente ainda afirma que as pessoas deveriam se preocupar mais em manter o parque conservado. “Não é porque são evangélicos que são mais educados, mas talvez se fosse feito o pedido no palco, não ficaria essa situação vergonhosa”. Ela ainda lembra que, apesar de ter lixeiras no parque, não são suficientes para a quantidade de lixo que a população produz durante os shows.

Limpeza voluntária

Dois catadores estavam no parque durante a manhã de segunda-feira. Mauro Graciano da Rocha, de 45 anos, limpava o lago do Parque das Nações Indígenas. O trabalhador, pai de cinco filhos, foi até o parque em seu dia de folga para ajudar na limpeza. “Isso não pode acontecer, para as pessoas que passam aqui é uma vergonha”, diz Mauro.

O homem, que trabalha fazendo serviços gerais no parque, conta que chegou cedo e começou a recolher o lixo. Mauro diz que encontrou até uma faca de serra dentro do lago. “Vou ficar até tarde ajudando a limpar, depois junto o lixo em sacolas e deixo para a Solurb recolher”, diz.

Já João Cunha Montagneri, de 62 anos, aproveitou para recolher latas de alumínio que ficaram jogadas no gramado. “Tem muita latinha aqui e eu vou aproveitar para vender. Esse lixo todo vai para a reciclagem, eu consigo um dinheiro e ainda ajudo a natureza”, diz. João diz que faz “bicos” para ganhar dinheiro.

Prefeitura

Uma equipe da Solurb Soluções Ambientais faz a limpeza da Avenida Afonso Pena na manhã desta segunda-feira. De acordo com os trabalhadores, eles foram contratados para limpar apenas a avenida e não entrarão no Parque das Nações Indígenas.

Até o fechamento da matéria a equipe do Midiamax não conseguiu falar com os responsáveis pela limpeza do parque na Prefeitura de Campo Grande.

Veja também

Fenômeno foi constatado na galáxia Grande Nuvem de Magalhães

Últimas notícias