A Petrobras informa que, às 14h26 de hoje entrou em produção o poço 7-LL-22D-RJS no campo de Lula, na Área do Piloto de Lula NE, no Polo Pré-Sal da Bacia de Santos. Esse poço, com potencial de produção de 26 mil barris de petróleo por dia, está interligado ao navio Plataforma FPSO Cidade de Paraty por um sistema de conexão à plataforma pioneiro nesse campo. Por esse sistema, o trecho ascendente das tubulações de produção é sustentado por uma boia submersa posicionada na profundidade de 240 metros abaixo no nível do mar. A cabeça do poço está localizada a uma profundidade d’água de 2.130 metros.

Ao longo de 2014 serão interligados mais 6 poços à unidade, 4 produtores e 2 injetores, todos através das boias, possibilitando que o FPSO Cidade de Paraty atinja sua capacidade plena de produção, de 120 mil barris de petróleo por dia, no terceiro trimestre de 2014.

Sistema pioneiro – Na posição em que está instalada, a boia de sustentação dos dutos, denominada BSR (Boia de Sustentação de Risers), fica imune aos movimentos da plataforma. Esse sistema viabiliza o uso, em partes do projeto, de dutos rígidos de aço (Steel Catenary Risers – SCR) em profundidade d’água de grandes profundidades.

A boia, que mede 40m x 52m e pesa 1.936 toneladas, está ancorada por oito tendões de aço de 1.883m cada, conectados a quatro estacas fixadas no leito marinho.

O sistema foi construído e instalado pela empresa Subsea 7. A instalação dessa boia, que tem capacidade para comportar dutos de 4 poços produtores e 3 injetores, começou em 19 de dezembro de 2013, e terminou no dia 07/02/14. No dia primeiro de abril de 2014, foi concluída a instalação dos dutos rígidos de aço para a interligação dos três primeiros poços produtores de óleo desta boia. A conexão do poço 7-LL-22D-RJS ao FPSO foi finalizada em 05/05/14, com a instalação de seus dutos flexíveis. Uma segunda boia já teve sua instalação finalizada e está pronta para receber os dutos rígidos de produção e injeção.

O FPSO Cidade de Paraty entrou em operação em 06/06/13, com o poço 7-LL-11-RJS, que foi interligado diretamente à plataforma e produz cerca de 30 mil barris por dia (bpd). O campo de Lula é operado pela Petrobras (65%), em parceria com a BG E&P Brasil Ltda (25%) e a Petrogal Brasil S.A. (10%).