Geral

Pais chegam a esperar mais de 6 horas por atendimento de pediatra em hospital

Depois de receber reclamações sobre o tempo de espera para pediatria do Hospital São Lucas em Campo Grande, localizado na Avenida Afonso Pena, Bairro Amambaí, a equipe do Midiamax conversou com alguns dos muitos pais que esperavam atendimento com para seus filhos. Na sala da recepção do setor, lotada com crianças de todas as idades, uma […]

Arquivo Publicado em 01/06/2014, às 20h53

None
438405770.jpg

Depois de receber reclamações sobre o tempo de espera para pediatria do Hospital São Lucas em Campo Grande, localizado na Avenida Afonso Pena, Bairro Amambaí, a equipe do Midiamax conversou com alguns dos muitos pais que esperavam atendimento com para seus filhos.

Na sala da recepção do setor, lotada com crianças de todas as idades, uma menina deitada no sofá chamava a atenção. Junto com o pai, Vanilton Alves da Silva, de 52 anos, a criança de 4 anos esperou cerca de 7 horas para ser atendida.

Vanilton contou que levou a filha no hospital depois de uma queda, chegaram ao local ás 8 horas e só foram atendidos ás 15h. Segundo ele, neste período muitas pessoas desistiram e foram para casa sem atendimento.

Depois de horas esperando, a filha de Vanilton fez o raio-x no braço e foi encaminhada para outro hospital, com suspeita de fratura, pois não havia ortopedista.

“Quando fui atendido a médica me perguntou o porquê fiquei lá tanto tempo já que ela não ia poder resolver e não tinha ortopedista no hospital. Quem tinha que me informar isso era o hospital, como eu ia adivinhar?”, reclama o pai.

Quem foi no hospital de manhã enfrentou a superlotação. Segundo relatos, o médico do período pediu para que a secretaria fizesse a ficha dos pacientes que chegaram até as 10 horas, que depois desde horário não atenderia mais. Ao fim do plantão foi embora, deixando muitos pacientes sem atendimento, as fichas tiveram que ser refeitas para a plantonista da tarde.

Para a enfermeira Glauce Fugimato, de 38 anos, o grande problema é a falta de médico somado a superlotação. Ela esperou às 10 horas até as 15h20 para que finalmente seu filho de um anos de 8 meses fosse atendido.

A maioria dos atendimento no hospital são realizdos por planos de saúde, o que aumenta a procura. Ainda assim, outros pais elogiam o atendimento e afirmam que a espera é uma questão de horário.

Até o fechamento da reportagem não foi possível entrar em contato com a direção do hospital.



Jornal Midiamax