Geral

Otan afirma que ao menos mil militares russos combatem dentro da Ucrânia

A Otan acredita que bem mais de 1.000 militares russos estejam combatendo dentro da Ucrânia, disse um oficial da aliança militar ocidental nesta quinta-feira (28). A Rússia nega. “Nós estimamos que bem mais de 1.000 militares russos estejam operando agora dentro da Ucrânia”, disse o oficial no quartel-general militar da Otan, no sul da Bélgica. […]

Arquivo Publicado em 28/08/2014, às 14h47

None

A Otan acredita que bem mais de 1.000 militares russos estejam combatendo dentro da Ucrânia, disse um oficial da aliança militar ocidental nesta quinta-feira (28). A Rússia nega.


“Nós estimamos que bem mais de 1.000 militares russos estejam operando agora dentro da Ucrânia”, disse o oficial no quartel-general militar da Otan, no sul da Bélgica. “Eles estão apoiando separatistas, lutando com eles.”


Mais cedo, o presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, acusou a Rússia de ter invadido o território ucraniano militarmente e pediu uma reunião em caráter de urgência no Conselho de Segurança da ONU.


A acusação ocorreu depois que rebeldes pró-Rússia tomaram controle da cidade de Novoazovsk, no sudeste do país, e ameaçaram tomar em seguida o porto de Mariupol, a segunda cidade mais importante da região.


Alexander Zakharchenko, líder rebelde no leste da Ucrânia, afirmou que entre 3 mil e 4 mil russos estão lutando ao lado dos separatistas.


Poroshenko cancelou uma viagem que faria hoje para a Turquia e reuniu seu gabinete para decidir que medidas adotar.


Comunicado do Conselho de Segurança Nacional e Defesa da Ucrânia. afirmou que a cidade de Novoazovs foi tomada por duas colunas de blindados russos antes de tiros de artilharia das posições ucranianas com mísseis “Grad” a partir do território do país vizinho.


“Por volta das 12h30 (horário local), duas colunas formadas por tanques e blindados que entraram na Ucrânia a partir das localidades de Veselo-Voznesensk e Maximov, na região de Rostov da Federação da Rússia, atacaram a cidade de Novoazovsk”, disse a nota.


Segundo Kiev, também foram tropas russas e não os separatistas pró-Rússia que atuam na região que tomaram várias localidades em uma ampla faixa anexa à fronteira russo-ucraniana, de mais de cem quilômetros de extensão e 50 de largura ao sul da cidade de Donetsk, entre Starobeshevo e Novoazovsk.


O embaixador dos Estados Unidos em Kiev, Geoffrey Pyatt, denunciou a crescente intervenção direta de tropas russas no conflito armado na Ucrânia.


“Um número cada vez maior de tropas russas está diretamente envolvido em ações militares em território da Ucrânia. A Rússia enviou sistemas de defesa antiaérea de última geração ao leste da Ucrânia”, escreveu o alto diplomata americano no Twitter.


O representante da Comissão Europeia em Kiev, David Stulik, escreveu nesta quarta-feira (27) em sua página no Facebook que “em 27 de agosto começou uma aberta agressão russa em território ucraniano”, uma declaração que em seguida foi qualificada de “opinião privada” por Bruxelas.


Os combates entre os dois lados enfrentados no leste da Ucrânia recrudesceram nos últimos dias, no meio de uma grande contra-ofensiva lançada pelos sublevados.

Jornal Midiamax