Geral

Origem da música sertaneja de MS vira livro e obra revisada já está à venda

A origem da música sertaneja sul-mato-grossense está eternizada na obra do jornalista Rodrigo Teixeira “Os Pioneiros – A Origem da Música Sertaneja de MS”. Nas páginas do livro lançado em 2009 e relançado neste ano, em edição revista e atualizada, os amantes da música ou simplesmente curiosos poderão conhecer mais sobre como foi o início […]

Arquivo Publicado em 19/02/2014, às 12h18

None
1589633826.jpg

A origem da música sertaneja sul-mato-grossense está eternizada na obra do jornalista Rodrigo Teixeira “Os Pioneiros – A Origem da Música Sertaneja de MS”. Nas páginas do livro lançado em 2009 e relançado neste ano, em edição revista e atualizada, os amantes da música ou simplesmente curiosos poderão conhecer mais sobre como foi o início da música sertaneja de Mato Grosso do Sul. A obra já está à venda na livraria do Campus da UFMS (Universidade de Mato Grosso do Sul) e na Casa do Artesão por R$ 45,00

A primeira leva de compositores do Sul de Mato Grosso, como Délio e Delinha, Amambai e Amambay, Beth e Betinha, Ze Correa, Jandira e Benites, Dino Rocha até chegar a Tostão e Guarany são retratados nas páginas que reúnem dezenas de fotografias e uma discografia com mais de 100 discos.

Teixeira explica que finalizou a pesquisa com Tostão e Guarany por considerá-los os últimos a manterem os traços da música daquela época. “Eles ainda mantiveram o sertanejo que começou nos auditórios de rádios. Influenciados pela música fronteiriça, onde havia muito chamamé e polca paraguaia”, conta.

Uma das preocupações do autor ao escrever o livro foi deixar um legado da história desses músicos que tanto contribuíram para Mato Grosso do Sul tocar o que toca hoje. “Falta onde buscar informação. Até dentro do próprio meio musical falta. O pessoal é muito de gênero. O roqueiro não se informa sobre o sambista, o sambista não quer saber de regional. Essa geração mais nova não tem muita informação sobre esse pessoal mais antigo”, salienta.

Satisfeito com o resultado, Teixeira lembra que a obra serviu de base para exposição do Museu da Imagem e do Som (MIS). E hoje, com a obra revista vê que o trabalho de dois anos de pesquisa ainda pode contribuir e muito para eternizar o som de Mato Grosso do Sul. “É importante saber a história dos primeiros que começaram esse mercado”, fala sobre a indústria sertaneja sul-mato-grossense, hoje dominada pelo sertanejo universitário.

Palestras

A evolução da música sertaneja de MS também está entre os estudos do músico. Entre os dias 10, 11 e 12 de março, das 19 horas às 21h30, Teixeira vai falar sobre “A música urbana de Mato Grosso do Sul – 100 anos de história”. A palestra vai retratar do fim do século 19 à segunda década dos anos 2000. Os artistas que construíram a cena musical de MS, os principais momentos da música sul-mato-grossense e as bandas instrumentais de Corumbá.

A música autoral de Mato Grosso do Sul. Os festivais de música de Campo Grande. Os discos mais marcantes lançados por artistas de MS são outros pontos que serão debatidos nas datas.

A palestra vai ocorrer no Mercado Cênico, Rua Dr. Temístocles, 64, Centro. O investimento é de R$ 50,00. Mais informações ligue (67) 3384-6663.

Jornal Midiamax