Geral

MS não adere à paralisação nacional e protestos se restringem a campanha explicativa

Mato Grosso do Sul não paralisou os atendimentos médicos dos planos de saúde nesta segunda-feira (7) como vários estados brasileiros onde consultas e atendimentos foram suspensos. A mobilização é um protesto a interferência das operados no exercício da medicina, além da valorização de honorários de consultas e procedimentos. Conforme o Conselho regional de Medicina de […]

Arquivo Publicado em 07/04/2014, às 17h57

None

Mato Grosso do Sul não paralisou os atendimentos médicos dos planos de saúde nesta segunda-feira (7) como vários estados brasileiros onde consultas e atendimentos foram suspensos. A mobilização é um protesto a interferência das operados no exercício da medicina, além da valorização de honorários de consultas e procedimentos.

Conforme o Conselho regional de Medicina de Mato grosso do sul (CRM/MS), os médicos decidiram não paralisar as atividades em respeito aos usuários. Eles optaram por entregar informativos aos pacientes com dados que mostram os motivos das reivindicações da categoria.

Este ano, são quatro itens que os médicos solicitam: reajuste das consultas e procedimentos tendo como referência a CBHPM em vigor; nova contratualização e hierarquização dos procedimentos médicos baseadas nas propostas das entidades médicas nacionais já apresentadas à ANS; fim da intervenção antiética dos planos de saúde na autonomia da relação médico-paciente e readequação da rede credenciada de forma a garantir acesso pleno e digno aos pacientes.

Ainda segundo o CRM, o índice CBHPM (Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos) baliza o valor dos reajustes repassados aos profissionais e atualmente a tabela se encontra na 7ª, edição. No entanto, muitas operadoras ainda repassam o valor de procedimentos e consultas aos médicos baseados na 4ª edição, menos 10%, ou seja, valores impraticáveis para que seja mantida a manutenção de um consultório com atendimento de qualidade.

O movimento em todo país e no estado está sendo organizado pelas entidades médicas: Conselho Regional de Medicina, Sindicato dos Médicos, Associação Médica, Academia de Medicina e sociedades de especialidades médicas.

Unimed

A Unimed de Campo Grande, desde 20 de fevereiro de 2014 paralisou alguns serviços para beneficiários unicamente de intercâmbio (clientes de fora da área de atuação da Unimed Campo Grande). Tratam-se de exames Ultrassonografia e Raio-X (apenas eletivos – agendados previamente). Atendimentos de urgência para clientes de fora continuam sendo realizados.

Jornal Midiamax